Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

OTAN se recusa a ter laços militares normais com a Rússia

Moscou está aberta a um diálogo sério com a OTAN sobre questões urgentes, mas a aliança não está pronta para restaurar os contatos militares com a Rússia, afirmou nesta sexta-feira (12) o vice-ministro das Relações Exteriores, Alexander Grushko.


Sputnik

"Estamos prontos para um diálogo sobre questões [urgentes], um diálogo sério. Além disso, formulamos propostas concretas que, se implementadas, poderiam aprimorar o ambiente militar na Europa. Infelizmente, a OTAN se recusa, não apenas a ter uma discussão específica sobre nossas atividades e ideias, mas também a restaurar contatos militares normais de trabalho", disse Grushko a repórteres.

A bandeira da OTAN é vista através de arame farpado tremulando em frente à nova sede da aliança em Bruxelas, na Bélgica.
© REUTERS / Christian Hartmann

O diplomata ainda enfatizou que a Rússia nunca se afastou de um diálogo franco e aberto sobre questões urgentes.

"[Moscou] acredita que as reuniões do Conselho OTAN-Rússia [NRC, na sigla em inglês] devem nos aproximar para resolver as questões nas quais ambos os lados têm interesse, em particular, medidas para prevenir incidentes perigosos, medidas para a diminuição de conflitos e a prevenção de má interpretação de intenções um do outro", apontou Grushko.

A OTAN suspendeu toda a cooperação prática civil e militar com a Rússia em resposta à suposta interferência de Moscou no conflito da Ucrânia. No entanto, decidiu manter canais de comunicação abertos no NRC — a plataforma estabelecida em 2002 para promover laços bilaterais — a nível dos embaixadores.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas