Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Pelo menos 20 mortos em ataque da coalizão no Iêmen

Pelo menos 20 pessoas foram mortas e outras 10 ficaram feridas em ataques aéreos realizados pela coalizão EUA e Arábia Saudita nesta quarta-feira na cidade de Bayt al Faqih, no oeste do Iêmen, informou a imprensa local.


Sputnik

O ataque aéreo foi realizado horas depois dos ataques anteriores que mataram três civis, incluindo uma criança menor, e feriram outras seis pessoas, informou o canal de TV Masirah.


Bombardeios da coalizão no Iêmen
Bombardeio da coalizão no Iêmen © Sputnik

Um relatório recente da ONU informou que os ataques aéreos da coalizão liderada pela Arábia Saudita — que atingiu mercados ao ar livre, clínicas de saúde, escolas, funerais e casamentos, segundo relatos publicados — foram responsáveis por mortes e ferimentos de 16 mil civis nos últimos três anos.

A coalizão internacional liderada pelos sauditas tem realizado ataques aéreos no Iêmen em apoio ao governo do país, lutando contra o grupo rebelde Houthi desde 2015. Ambos os lados foram acusados ​​por organizações internacionais e grupos de direitos humanos de cometer hostilidades contra os civis iemenitas.

O chefe do Comando de Operações Especiais da Força Aérea dos Estados Unidos, o tenente-general Brad Webb, disse em uma coletiva de imprensa na semana passada que os EUA não tinham planos de mudar seu apoio logístico às operações militares lideradas pela Arábia Saudita no Iêmen.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas