Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Pentágono promete criar armas hipersônicas antes do previsto

Durante uma reunião com um grupo de jornalistas, o subsecretário de Defesa dos EUA Patrick Shanahan informou que os Estados Unidos estão ativamente empenhados no desenvolvimento de armas hipersônicas, que entrarão em serviço mais cedo do que o esperado.


Sputnik

"Vamos começar a voar [lançar mísseis] antes e com mais frequência do que as pessoas esperavam de nós", disse Shanahan a repórteres.


Sede do Pentágono em Washington, EUA
Pentágono © AFP 2018 / STAFF

Ele ainda acrescentou que a abordagem americana para o desenvolvimento de armas hipersônicas será incluída nos futuros orçamentos de defesa.

Atualmente, a Secretaria de Defesa dos EUA está calculando o montante necessário para a realização do projeto.

Segundo havia avisado em setembro o subsecretário de Defesa dos EUA, Michael Griffin, o Pentágono não precisaria de mais de US$ 20 bilhões (R$ 78 bilhões) para desenvolver o referido armamento, semelhante ao que está sendo desenvolvido na China.

O presidente russo, Vladimir Putin, apresentou há alguns meses, em um discurso na Assembleia Federal, algumas das novíssimas armas russas, sem análogos no mundo, tais como o sistema de mísseis Sarmat, drones submarinos, mísseis de cruzeiro, mísseis aéreos hipersônicos Dagger, armas a laser e hipersônicas.

Comentários

Postagens mais visitadas