Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Por que a Marinha do Brasil não vai comprar fragatas OHP?

Mesmo com pouquíssimas opções de navios de guerra usados no mercado internacional, a Marinha do Brasil (MB) dificilmente vai adquirir fragatas usadas da classe “Oliver Hazard Perry” (OHP) estocadas nos EUA.


Poder Naval

Embora os navios sejam capazes de operar com dois helicópteros Sea Hawk e possam ser reativados com sistemas ainda inexistentes em nossa Marinha, como o sonar passivo towed array e o lançador Mk.13 capaz de disparar mísseis antiaéreos de defesa de área SM-2, entre outros, seu custo operacional elevado ainda é o principal obstáculo.

Fragata Classe Oliver Hazard Perry | Reprodução

Isto porque o orçamento MB está dimensionado para operar navios propulsados por motores a diesel, muito mais econômicos do que os navios movidos apenas por turbinas a gás, como é o caso das OHP.

Por essa mesma razão é que a MB só envia para missões no Líbano as fragatas classe “Niterói” ou a corveta Barroso e nunca enviou uma Type 22, movida somente a turbinas e por isso de operação muito mais dispendiosa.

Para se ter uma ideia do custo operacional das OHP, a taxa de consumo da turbina aeroderivada GE LM2500 é de 0,373 galão de combustível por 1 cavalo-vapor. Cada galão equivale a 3,78 litros.

Quando se usa 100% da potência, a LM2500 consome 12.530 galões por hora. A 30% de potência, o consumo é de 3.760 galões por hora.

A Perry usa duas LM2500 e se estiver operando a 100% e 30%, vai consumir 25.060 galões (94.852,1 litros) e 7.520 galões (28.463,2 litros) por hora, respectivamente.

Mesmo que uma OHP possa fazer 25 nós usando apenas uma turbina, o consumo ainda é elevado para os padrões brasileiros.

Essa também é a razão por que raramente os navios de guerra da MB navegam usando turbina.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas