Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Por que a Marinha do Brasil não vai comprar fragatas OHP?

Mesmo com pouquíssimas opções de navios de guerra usados no mercado internacional, a Marinha do Brasil (MB) dificilmente vai adquirir fragatas usadas da classe “Oliver Hazard Perry” (OHP) estocadas nos EUA.


Poder Naval

Embora os navios sejam capazes de operar com dois helicópteros Sea Hawk e possam ser reativados com sistemas ainda inexistentes em nossa Marinha, como o sonar passivo towed array e o lançador Mk.13 capaz de disparar mísseis antiaéreos de defesa de área SM-2, entre outros, seu custo operacional elevado ainda é o principal obstáculo.

Fragata Classe Oliver Hazard Perry | Reprodução

Isto porque o orçamento MB está dimensionado para operar navios propulsados por motores a diesel, muito mais econômicos do que os navios movidos apenas por turbinas a gás, como é o caso das OHP.

Por essa mesma razão é que a MB só envia para missões no Líbano as fragatas classe “Niterói” ou a corveta Barroso e nunca enviou uma Type 22, movida somente a turbinas e por isso de operação muito mais dispendiosa.

Para se ter uma ideia do custo operacional das OHP, a taxa de consumo da turbina aeroderivada GE LM2500 é de 0,373 galão de combustível por 1 cavalo-vapor. Cada galão equivale a 3,78 litros.

Quando se usa 100% da potência, a LM2500 consome 12.530 galões por hora. A 30% de potência, o consumo é de 3.760 galões por hora.

A Perry usa duas LM2500 e se estiver operando a 100% e 30%, vai consumir 25.060 galões (94.852,1 litros) e 7.520 galões (28.463,2 litros) por hora, respectivamente.

Mesmo que uma OHP possa fazer 25 nós usando apenas uma turbina, o consumo ainda é elevado para os padrões brasileiros.

Essa também é a razão por que raramente os navios de guerra da MB navegam usando turbina.

Comentários

Postagens mais visitadas