Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Qual seria a principal condição de vitória em suposto conflito militar entre Rússia e EUA?

A destruição de satélites é a condição essencial para a vitória em caso de conflito militar, por exemplo, entre a Rússia e os EUA, disse o especialista militar Konstantin Sivkov ao jornal Vzglyad.


Sputnik

Sivkov salientou que a Rússia, além de dispor de mísseis antissatélite com tecnologia avançada, também está modernizando os projéteis da época da União Soviética.


Lançamento do Standard Missile-3 (SM-3)
Lançamento de um Standard Missile 3 (SM-3) © flickr.com/ Official U.S. Navy Page

"É necessário derrubar os satélites que realizam missões de espionagem em nosso território antes do início das ações militares, assim como os satélites que fornecem dados de navegação para as tropas inimigas em nosso território e perto de nossas fronteiras", explicou o analista, destacando a importância desse armamento, sem o qual a vitória em conflitos modernos será "impossível".

O especialista militar ressaltou que a destruição de satélites reduz em "várias vezes" a capacidade militar do adversário e observou que os EUA e a China também possuem mísseis desse tipo. Segundo ele, os norte-americanos podem destruir satélites com os mísseis SM-3.

Ao mesmo tempo, Sivkov observou que os EUA "dominam o espaço", já que possuem cerca de 400 satélites militares, quatro vezes mais do que a Rússia.

"Por isso somos forçados a tomar medidas para neutralizar os satélites dos EUA, se necessário", disse.

Falando sobre as características técnicas dos mísseis antissatélite, Sivkov disse que estes são disparados de aviões e que o satélite é destruído por impacto cinético, ou então dinâmico, ou seja, por meio de explosão.

Recentemente, o canal CNBC informou que, até 2022, a Rússia adotará em serviço mísseis supostamente capazes de derrubar satélites.

Comentários

Postagens mais visitadas