Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Relatos: novíssimos fuzis do exército alemão fracassam nos testes

Um vazamento de informações proveniente da entidade militar alemã revelou que nenhuma das armas recém-desenvolvidas para substituir os fuzis G36 corresponde aos requisitos das Forças Armadas.


Sputnik

De acordo com fontes militares, os recentes testes de novíssimos fuzis de assalto mostraram que nenhum dos modelos apresentados por várias empresas fabricantes corresponde às necessidades e normas das Forças Armadas da Alemanha, comunicou o jornal Die Welt.

Soldado alemão com o fuzil de assalto Heckler & Koch G36 em um campo de treinamento militar perto de Weisskeissel, Alemanha
Fuzil de assalto Heckler & Koch G36 © AP Photo / dpa, Arno Burgi

Segundo o comunicado do Gabinete dos Contratos do Ministério da Defesa da Alemanha, citado pela mídia, "ao contrário das expetativas, os fuzis apresentados não conseguiram cumprir os requisitos".

O maior problema consiste em que as empresas fabricantes apresentaram só armas de calibre 5,5 mm, enquanto a entidade militar precisa de 7,62mm.

O jornal destaca que a Defesa alemã planeja comprar 120.000 novos fuzis de assalto, que podem custar cerca de US$ 290 milhões (R$ 1,1 bilhões). No entanto, com os materiais de apoio adicionais, o preço final pode atingir US$ 463 milhões (R$ 1,75 bilhões).

Pela primeira vez, o objetivo de substituir os atuais G36 — que o exército usa desde 1996 — foi enunciado em 2017. Está previsto introduzir novas armas até 2021.

Segundo o jornal, a ministra Ursula Von der Leyen criticou os fuzis G36 por sua insuficiente precisão em condições climáticas estremas, tais como calor ou situações de incêndio.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas