Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Reveladas IMAGENS do incidente entre destróier dos EUA e navio de guerra chinês

No portal náutico GCaptain foram publicadas imagens do incidente entre o destróier USS Decatur e o navio de guerra chinês Luyang que teve lugar no mar do Sul da China em 30 de setembro.


Sputnik

As imagens, a que o portal GCaptain teve acesso através da Marinha norte-americana, mostram o Luyang se aproximando perigosamente do USS Decatur até ficar a 41 metros de distância.

Destróier USS Decatur e navio de guerra chinês Luyang no mar do Sul da China, em 30 de setembro de 2018
USS Decatur e navio chinês Luyang no Mar do Sul da China © Foto : U.S. Navy

O navio chinês é a embarcação da esquerda na imagem e no lado direito está o destroier norte-americano.

A Marinha dos EUA confirmou que o incidente tinha acontecido nas águas disputadas pelo gigante asiático no mar do Sul da China. Os norte-americanos acusaram a China de efetuar "uma manobra nada profissional e arriscada" e de ter estado perto de colidir com o USS Decatur, que naquele momento se encontrava na área dos recifes de Gaven nas ilhas Spratly.

A China denuncia que o USS Decatur entrou nas águas chinesas sem permissão e que, portanto, a manobra do Luyang, que pretendia obrigar o destróier dos EUA a abandonar as águas, era justificada.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas