Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Rússia seguirá sua doutrina nuclear, mas destruirá qualquer agressor, diz Kremlin

Porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, explicou a declaração de Vladimir Putin sobre ataque nuclear pronunciada no clube de discussão Valdai em Sochi na semana passada.


Sputnik

Na ocasião o líder russo declarou que a Rússia poderá usar suas armas nucleares só em caso de um ataque de resposta. Ele disse: "O agressor deve saber que a retribuição é inevitável, que será destruído. E nós, vítimas da agressão, iremos ao paraíso como mártires, enquanto eles simplesmente vão morrer, pois nem terão tempo para se arrependerem."


Lançamento do míssil balístico do complexo Iskander-M a partir do polígono de Kapustin Yar, na região russa de Arkhangelsk
Lançamento de míssil balístico russo Iskander-M © Sputnik / Stringer

Segundo o porta-voz de Vladimir Putin, "o discurso não era sobre o paraíso ou sobre quem iria para lá, mas sim sobre, e isso é o importante, que a nível de doutrina a Rússia não se reserva o direito de um ataque preventivo, ou seja, nós não efetuaremos o primeiro ataque. Nós não nos atribuímos o direito de atacar primeiro".

Peskov detalhou em que caso de Moscou se poder decidir pelo ataque nuclear: "Na nossa doutrina está escrito que se, no primeiro caso, o país for atacado com armas nucleares ou, no segundo caso, nosso país for atacado de modo que a existência do nosso Estado seja ameaçada, a Rússia se sentirá no direito de utilizar armas nucleares."

Ele acrescentou que Vladimir Putin disse que a Rússia não vai atacar ninguém primeira.

Vladimir Putin havia comentado, durante o debate realizado pelo Clube Valdai, os conceitos da doutrina nuclear da Rússia. Segundo o presidente russo, a utilização de armamentos nucleares significaria uma catástrofe mundial e Moscou não iria iniciar esse processo, por não considerar a possibilidade de um ataque preventivo.

Comentários

Postagens mais visitadas