Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Seul, Pyongyang e Comando da ONU abordam desarmamento de zona de segurança

Coreia do Sul, Coreia do Norte e o Comando das Nações Unidas na Coreia (UNC), liderado pelos Estados Unidos, se reuniram nesta terça-feira pela primeira vez para abordar o desarmamento na Área de Segurança Conjunta (JSA) em cumprimento do recente acordo militar assinado pelos dois países vizinhos.


EFE

Seul - A reunião ocorreu na própria JSA e foi organizada pelo coronel sul-coreano Cho Yong-geun, o coronel norte-coreano Om Chang-nam e o coronel americano Burke Hamilton, secretário do UNC na Comissão do Armistício (que supervisiona o cessar-fogo entre os participantes da Guerra da Coreia), segundo explicou o Ministério de Defesa sul-coreano em comunicado.


Zona desmilitarizada (DMZ) na fronteira das Coreias em foto de julho de 2018. EFE/ Yonhap
Zona desmilitarizada (DMZ) na fronteira das Coreias em foto de julho de 2018. EFE/ Yonhap

Os representantes de Seul e Pyongyang decidiram estabelecer áreas desarmadas na JSA para diminuir a tensão no acordo militar assinado em setembro, o maior pacto de Defesa assinado por ambos os países desde que a península se dividiu, em 1945.

Ambas as partes abordaram medidas "como a retirada de armas de fogo e postos de guarda, a redução de pessoal de guarda e o reajuste das equipes de vigilância", explicou um comunicado, sem mais detalhes.

"Foi decidido proceder com os movimentos para as medidas de desarmamento e verificação mútua através do órgão consultivo trilateral (a Comissão do Armisticio)", acrescenta o texto.

A Coreia do Sul tinha previsto recuar quatro postos de guarda e a Coreia do Norte cinco, enquanto cada país mobilizaria 35 soldados desarmados ao norte e sul da linha de demarcação militar que divide em duas a JSA, segundo a imprensa local.

Como parte da implementação do acordo de setembro, Coreia do Sul e Coreia do Norte iniciaram em 1º de outubro trabalhos conjuntos para retirarem minas da Zona Desmilitarizada (ZDC) que as divide, operações cujos resultados também foram analisados na reunião.

A presença do Comando da ONU na reunião se deve ao fato de que a agência tem jurisdição sobre a JSA, estabelecida após a Guerra da Coreia (1950-1953), que terminou com um armistício assinado pelo exército norte-coreano, China e EUA, em nome do UNC e que nunca foi substituído por um tratado de paz definitivo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas