Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

'Theresa May quer convencer britânicos de que Argentina planeja tomar militarmente Malvinas'

O Reino Unido está realizando exercícios militares nas Ilhas Malvinas desde o dia 15 até 29 de outubro. Mesmo que as manobras sejam rotineiras, estão gerando rumores internacionais devido à instabilidade política que vem enfrentando.


Sputnik

Segundo o ex-general das forças terrestres britânicas durante a guerra das Malvinas, Julian Thompson, "é improvável que Jeremy Corbyn utilize a força militar para defender as ilhas", declaração que foi publicada pelo Portal Express.


Soldados britânicos nas Malvinas
Militares britânicos nas Malvinas © Foto : Ministério da Defesa do Reino Unido

De acordo com as palavras expressas pelo coronel aposentado Omar Locatelli, que é analista em temas de defesa e segurança, à Sputnik Mundo, "não há qualquer desejo de nossa parte", sobre uma eventual ação de recuperação das ilhas. Além disso, ele cita que esses exercícios fazem parte de uma modernização de defesa antiaérea e para elevar as habilidades de ataque e defesa para combater um eventual ataque, sendo algo normal e que todas as forças armadas fazem isso, inclusive as Forças Armadas da Argentina.

Após a guerra de 1982, a Argentina perdeu sua credibilidade como potência militar e até hoje não conseguiu recuperar prestígio, Locatelli, por sua vez, ressaltou que o governo do presidente Maurício Macri "tem a ideia de solucionar esse assunto através da evolução diplomática e econômica".

Locatelli conclui que as manobras realizadas pelos militares britânicos seriam apenas para "justificar ou manter o nível orçamental e atividade de suas Forças Armadas em um momento difícil que estão passando com a saída do Brexit, além de suas Forças Armadas estarem se degradando, assim como tantas outras na atualidade".

Já a secretária do Centro de Militares para a Democracia da Argentina, Elsa Bruzzone, afirmou à Sputnik que "está muito preocupada com relação ao assunto, pois as Malvinas são sempre uma desculpa para descomprimir o interior do país e tratar de deixar os problemas existentes, principalmente com a saída da União Europeia".

Além disso, Elsa expressou preocupação com a "declaração da primeira-ministra, pois ela deseja convencer os britânicos de que a Argentina planeja invadir e tomar as ilhas, ou seja, é o mesmo que dizer que estamos planejando uma nova guerra no Atlântico Sul e que precisamos elevar os gastos com defesa".

Elsa afirma que "há uma ferida aberta nas Malvinas argentinas, isso está em nosso coração, em nossas almas e em nossas consciências. É parte de nossa pátria e sabemos que um dia nós vamos recuperá-las, mas não através de uma guerra", citando que a Argentina de maneira alguma pensa ou pensou em uma guerra, pelo contrário, o país vem cumprindo com todas suas obrigações, informando cada movimento que realiza dentro ou em torno das Malvinas, seguindo o acordo realizado com o Reino Unido, não havendo qualquer irregularidade, enfrentamento, espionagem ou qualquer ato ofensivo.

Qualquer decisão que for tomada sobre as Malvinas, será resolvida de maneira diplomática, através de acordos, visando o interesse de ambos os países, mas de modo algum será através de guerra.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas