Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Três países africanos somam esforços contra o terrorismo

Os governos de Benin, Níger, Togo e Burkina Faso integraram uma frente comum para combater as ações terroristas, informou hoje uma publicação regional.


Prensa Latina

Ouagadougou - Os exércitos desses três países realizarão ações marcadas contra esse flagelo, sobretudo na parte oriental do território burkinabé, segundo uma declaração conjunta de seus ministros de Segurança e Assuntos Exteriores, citada pela Agência Panafricana de Notícias.


Um encontro dos titulares nesta capital debateu sobre o tema antes de subscrever um acordo 'sob o impulso dos chefes de Estado para desenvolver cooperações em matéria de informação e pôr fim ao terrorismo' sublinhou o chanceler de Burkina Faso, Alpha Barry.

Esta última nação, cuja região oriental de amplos bosques é fronteiriça com Níger, Benin e Togo, desde o início de 2015 palco de ataques terroristas, depois de permanecer durante muitos anos alheia a esse tipo de ações violentas.

'Burkina Faso está na zona tampão, isto é, a zona saheliana e a costeira ou a florestal. Se o país é atingido pelo terrorismo, toda África ocidental também será afetada', advertiu Barry.

O ministro beninés do Interior, Sacca Lafia, por sua vez, explicou como o terrorismo prolifera na sub região do Sahel, particularmente no leste de Burkina Faso.

A maioria dos Estados dessa área africana enfrentam o perigo de grupos terroristas infiltrados em países vizinhos como Mali e Nigéria.

Os governos de Burkina Faso, Chade, Malí, Mauritania e Níger enfrentam a ação dessas organizações integrados ao chamado grupo G5-Sahel, mediante acordos mútuos para o emprego de tropas, meios e recursos.

Comentários

Postagens mais visitadas