Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

37ª Operação Antártica (OPERANTAR) contribui para pesquisa e funcionamento da Estação Comandante Ferraz

Com a partida do navio Polar (NPo) Almirante Maximiano e de Apoio Oceanográfico (NApOc), Ary Rongel, ambos da Marinha do Brasil, do Rio de Janeiro, em outubro de 2018, foi iniciada a 37ª Operação Antártica (OPERANTAR XXXVI), que, até abril de 2019, apoia 17 projetos científicos de diferentes áreas de conhecimento e atua na manutenção da Estação Antártica Comandante Ferraz no continente gelado.


DefesaNet

As atividades dos projetos são divididas em: pesquisas embarcadas, apoiadas pelo NPo Alte Maximiano e no NApOc Ary Rongel, totalizando doze projetos; onze acampamentos de pesquisa pelo NApOc Ary Rongel, a serem lançados na parte norte da Península Antártica; e quatro intercâmbios de pesquisa em estações antárticas estrangeiras.


Os projetos possibilitam a realização de pesquisas de estudo da biodiversidade e do ecossistema antártico, as investigações sobre as mudanças climáticas naquela região e suas consequências em nível global e as pesquisas nas áreas de oceanografia, glaciologia e geologia.

Além de apoiar os pesquisadores durante os trabalhos realizados na área da Baía do Almirantado (Antártica), o Grupo-Base (GB) constituído por 16 militares da Marinha do Brasil, é responsável pela manutenção da Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF), cujas as instalações foram parcialmente destruídas por um incêndio em 2012, e ainda hoje, passa por reconstrução. Quando a Estação for concluída, em 2020, poderá abrigar até 64 pessoas em uma área de cerca de 4,5 mil metros quadrados.

Além dos navios da Marinha, voos de Apoio Logístico da Força Aérea Brasileira, com as aeronaves Hércules C-130, atuam no transporte de material e pessoal entre o Brasil e a Antártica, para a realização da Operação.

PROANTAR

O "Programa Antártico Brasileiro" (PROANTAR) tem a atribuição de planejar e executar as atividades logísticas e científicas em local tão distante e inóspito, sempre enfocando as questões ambientais.

Pelo Decreto nº 86.830, de 12 de janeiro de 1982, a Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM) gerencia o PROANTAR. Por isso, o planejamento da OPERANTAR ocorre por meio de diversas reuniões com os órgãos diretamente envolvidos no Programa Antártico, tais como: Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Ministério do Meio Ambiente (MMA), Ministério das Relações Exteriores (MRE), Força Aérea Brasileira (FAB), dentre outros indiretamente envolvidos nas atividades desenvolvidas pelo Brasil na Antártica.

Fonte: Ministério da Defesa

Comentários

Postagens mais visitadas