Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Analista: voos dos EUA perto da Crimeia estão entre as melhores tradições da Guerra Fria

Um avião de patrulha P-8A Poseidon da Marinha dos EUA realizou um voo de reconhecimento no estreito de Kerch, que liga o mar Negro e o mar de Azov, informou previamente a mídia.


Sputnik

O P-8A Poseidon sobrevoou o estreito de Kerch e a península da Crimeia em 6 de novembro, segundo relatou o serviço de monitoramento Plane Radar em sua conta no Twitter.


Avião de reconhecimento dos EUA P-8A Poseidon
Boeing P-8A Poseidon © Sputnik / Aleksei Kudenko

O cientista político Oleg Glazunov expressou sua opinião, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, sobre esses voos, que remontam à prática adotada na época da Guerra Fria e apenas agravam a situação.

"Se levarmos em conta nossas relações com os Estados Unidos, esses voos, naturalmente, são para fins de reconhecimento. Seu principal objetivo é identificar as unidades de defesa, o nível de proteção e os sistemas de defesa antiaérea. Essa inteligência está entre as melhores tradições da época da Guerra Fria", comentou Glazunov.

Segundo o analista, a política do presidente norte-americano Donald Trump é completamente imprevisível: vai desde a reaproximação com a Rússia até ao confronto completo.

"Isso agrava muito a situação. Nenhum país gosta que tais missões de reconhecimento sejam conduzidas em suas fronteiras, o que geralmente acontece antes de um ataque. Por exemplo, nós não realizamos voos de reconhecimento sobre o território dos Estados Unidos. Somos um país pacífico, mas, dos EUA, podemos esperar qualquer coisa", concluiu.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas