Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Coalizão liderada pela Arábia aceita retirar rebeldes feridos no Iêmen

A coalizão militar liderada pela Arábia Saudita aceitou a retirada de huthis feridos do Iêmen, um dos principais obstáculos às negociações realizadas em setembro em Genebra mediadas pela ONU, anunciou nesta terça-feira a chancelaria britânica.


France Presse

"As forças da coalizão permitirão que a ONU supervisione uma retirada médica dos huthis, incluindo até 50 combatentes feridos, para Omã antes de outra rodada de negociações de paz na Suécia, no final deste mês", afirmou o ministério em um comunicado após a visita do chanceler, Jeremy Hunt, à Arábia Saudita.


Resultado de imagem para Coalizão liderada pela Arábia aceitar retirar rebeldes feridos no Iêmen
Escombros de casas destruídas em ataques aéreos liderados pela Arábia Saudita no Iêmen | Reprodução

Combates violentos continuam a abalar a cidade portuária de Hodeida, no oeste do Iêmen, enquanto que as potências da ONU e do Ocidente acentuam a pressão sobre os lados beligerantes para que cessem as hostilidades.

A ofensiva contra Hodeida, apoiada militarmente pela Arábia Saudita e pelos Emirados Árabes Unidos, começou em junho, mas se intensificou no início de novembro.

De acordo com fontes militares e médicas, 461 rebeldes huthis - apoiados pelo Irã -, 125 combatentes leais e 8 civis morreram desde então.

O Iêmen sofre a pior crise humanitária do mundo hoje em dia, segundo a ONU, com 14 milhões de pessoas passando fome.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas