Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Embaixadores da Otan se reúnem com diplomata ucraniano por crise com Rússia

Os embaixadores da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) se reúnem nesta segunda-feira com o enviado diplomático da Ucrânia em uma sessão extraordinária da Comissão Otan-Ucrânia para avaliar a situação após os últimos incidentes envolvendo embarcações russas e ucranianas no Mar de Azov.


EFE

Bruxelas - "A pedido do presidente (da Ucrânia, Petro) Poroshenko, o secretário-geral (da Otan, Jens Stoltenberg) decidiu convocar uma reunião extraordinária da Comissão Otan-Ucrânia de embaixadores em Bruxelas para abordar a atual situação", afirmou a organização em comunicado.

Jens Stoltenberg em foto de outubro de 2018. EPA/OLIVIER HOSLET
Jens Stoltenberg em foto de outubro de 2018 | EPA/OLIVIER HOSLET

Stoltenberg conversou nesta manhã com Poroshenko sobre os últimos eventos no Mar de Azov e no Estreito de Kerch, entre eles o que envolveu navios russos e ucranianos neste domingo.

"O secretário-geral expressou total apoio da Otan à integridade territorial e à soberania da Ucrânia, incluindo seus direitos de navegação completa em suas águas territoriais sob a lei internacional", destacou a Otan.

Hoje, a porta-voz da organização militar, Oana Lungescu, pediu "contenção" às partes após declarar que a Otan está acompanhando "de perto" o desenvolvimento dos eventos na região.

Oana também pediu à Rússia que "garanta o acesso sem impedimentos" aos portos ucranianos no Mar de Azov, segundo a lei internacional.

A porta-voz lembrou que, na cúpula da organização realizada em julho em Bruxelas, os líderes da Otan manifestaram apoio à Ucrânia e deixaram claro que a militarização promovida pela Rússia na Crimeia, no Mar Negro e no Mar de Azov "representa mais ameaças à independência da Ucrânia e mina a estabilidade da região".

A Rússia acusou hoje a Ucrânia de protagonizar uma "provocação muito perigosa" no Mar Negro, onde a guarda costeira russa capturou no domingo três navios da marinha ucraniana e feriu vários de seus tripulantes depois que estes supostamente violaram suas águas territoriais.

A tensão no Mar de Azov aumentou desde que Moscou construiu em maio a ponte da Crimeia que liga a península com a Rússia, o que fez aumentar as inspeções dos navios ucranianos, algo que Kiev considera um bloqueio de seus portos na região.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas