Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Equipe de sauditas limpou provas do caso Khashoggi, afirma jornal turco

Uma equipe de 11 cidadãos sauditas, entre eles um químico e toxicologista, limpou os rastros e eventuais provas do assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi antes que as autoridades turcas pudessem investigar o caso, apontou nesta segunda-feira o jornal governista turco "Sabah".


EFE

Istambul - Os 11 sauditas chegaram ao aeroporto de Istambul no dia 11 de outubro e se hospedaram em um hotel perto do consulado saudita onde o repórter desapareceu no dia 2 do mesmo mês.


Polícia foerense examina a residência do consul sudita em Istambul. EFE/ Sedat Suna
Polícia foerense examina a residência do consul sudita em Istambul. EFE/ Sedat Suna

O jornal revela a identidade de dois desses cidadãos sauditas, o químico Abdullah Al Janabi e o especialista em toxicologia Khaled Yahya Al Zahrani.

Segundo conclui o jornal "Sabah", os suspeitos visitaram diariamente as dependências do consulado e a residência do cônsul entre 11 e 17 de outubro para desaparecer com as provas do caso.

As autoridades turcas conseguiram acessar ambos recintos diplomáticos em 17 de outubro, pois não obtiveram a permissão de Riad para revistar os edifícios requeridos de acordo com a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas.

A Promotoria turca declarou recentemente que Khashoggi, de 59 anos, foi estrangulado e posteriormente esquartejado no consulado de seu país em Istambul, quando compareceu a esse escritório para obter documentos para poder se casar com sua noiva turca.

O jornalista era esperado no consulado por um comando de 15 agentes sauditas que tinham viajado para Istambul poucas horas antes e retornaram a Riad na mesma noite.

O político turco Yasin Aktay afirmou na sexta-feira ao jornal "Hürriyet" que os assassinos esquartejaram o corpo para poder "dissolvê-lo" em uma substância química e se desfazer do mesmo mais facilmente, um ponto que ainda não foi confirmado oficialmente pela Promotoria.

O presidente turco, Recep Tayip Erdogan, afirmou que seu Governo tem a certeza de que a ordem de matar o repórter dissidente "veio dos mais altos níveis" do poder de Riad.

Em uma coluna publicada na sexta-feira no jornal americano "The Washington Post", Erdogan insistiu que o reino ainda deve responder muitas perguntas sobre o que aconteceu com Khashoggi.

"Sabemos que a ordem de matar Khashoggi veio dos níveis mais altos do governo saudita", escreveu o presidente turco.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas