Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Equipe de sauditas limpou provas do caso Khashoggi, afirma jornal turco

Uma equipe de 11 cidadãos sauditas, entre eles um químico e toxicologista, limpou os rastros e eventuais provas do assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi antes que as autoridades turcas pudessem investigar o caso, apontou nesta segunda-feira o jornal governista turco "Sabah".


EFE

Istambul - Os 11 sauditas chegaram ao aeroporto de Istambul no dia 11 de outubro e se hospedaram em um hotel perto do consulado saudita onde o repórter desapareceu no dia 2 do mesmo mês.


Polícia foerense examina a residência do consul sudita em Istambul. EFE/ Sedat Suna
Polícia foerense examina a residência do consul sudita em Istambul. EFE/ Sedat Suna

O jornal revela a identidade de dois desses cidadãos sauditas, o químico Abdullah Al Janabi e o especialista em toxicologia Khaled Yahya Al Zahrani.

Segundo conclui o jornal "Sabah", os suspeitos visitaram diariamente as dependências do consulado e a residência do cônsul entre 11 e 17 de outubro para desaparecer com as provas do caso.

As autoridades turcas conseguiram acessar ambos recintos diplomáticos em 17 de outubro, pois não obtiveram a permissão de Riad para revistar os edifícios requeridos de acordo com a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas.

A Promotoria turca declarou recentemente que Khashoggi, de 59 anos, foi estrangulado e posteriormente esquartejado no consulado de seu país em Istambul, quando compareceu a esse escritório para obter documentos para poder se casar com sua noiva turca.

O jornalista era esperado no consulado por um comando de 15 agentes sauditas que tinham viajado para Istambul poucas horas antes e retornaram a Riad na mesma noite.

O político turco Yasin Aktay afirmou na sexta-feira ao jornal "Hürriyet" que os assassinos esquartejaram o corpo para poder "dissolvê-lo" em uma substância química e se desfazer do mesmo mais facilmente, um ponto que ainda não foi confirmado oficialmente pela Promotoria.

O presidente turco, Recep Tayip Erdogan, afirmou que seu Governo tem a certeza de que a ordem de matar o repórter dissidente "veio dos mais altos níveis" do poder de Riad.

Em uma coluna publicada na sexta-feira no jornal americano "The Washington Post", Erdogan insistiu que o reino ainda deve responder muitas perguntas sobre o que aconteceu com Khashoggi.

"Sabemos que a ordem de matar Khashoggi veio dos níveis mais altos do governo saudita", escreveu o presidente turco.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas