Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Equipe saudita deve ter obedecido ordens em caso Khashoggi, diz Turquia

Uma equipe saudita de 15 homens que voou para a Turquia antes do assassinato de Jamal Khashoggi deve ter recebido ordens para agir, disse o ministro das Relações Exteriores da Turquia, embora tenha reiterado a opinião de Ancara de que as orientações não partiram do rei Salman.


Por Ece Toksabay | Reuters

ANCARA (Reuters) - Falando a repórteres em Tóquio, Mevlut Cavusoglu acrescentou que a Arábia Saudita tem a responsabilidade de dizer à Turquia o que aconteceu com o corpo de Khashoggi, de acordo com a agência de notícias Anadolu.


Resultado de imagem para Ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu
Ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu | 30/10/2018 REUTERS/Murad Sezer

Khashoggi, colunista do Washington Post que era crítico do governo saudita e de seu governante de fato, o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, desapareceu no consulado saudita em Istambul no dia 2 de outubro.

Inicialmente autoridades sauditas insistiram que Khashoggi deixou o consulado, e depois disseram que ele morreu em uma “operação ilegal”. Mais tarde o procurador-geral do reino, Saud al-Mojeb, disse que ele foi assassinado de maneira premeditada.

O presidente turco, Tayyip Erdogan, que exigiu mais informações à Arábia Saudita diversas vezes, também pediu que autoridades sauditas digam quem em Riad enviou uma equipe de 15 homens que é suspeita de envolvimento no assassinato.

“Esta equipe de 15 homens não veio à Turquia por conta própria, eles vieram obedecendo ordens. Sem as devidos ordens e permissões 15 pessoas não podem vir da Arábia Saudita parta matar um de seus próprios cidadãos”, disse Cavusoglu.

O chanceler disse que Erdogan conversou com o rei saudita Salman duas vezes após o assassinato e que tem certeza de que o rei não daria ordens para matar alguém.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas