Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

EUA estariam planejando 'pequena ocupação' do Uruguai durante G20?

Durante a cúpula do G20, os EUA pretendem instalar uma base de operações no território uruguaio para garantir a segurança do evento, que acontecerá em Buenos Aires. Em Montevidéu se ouvem muitas vozes de objeção contra a logística militar do Pentágono.


Sputnik

O deputado uruguaio de esquerda, Eduardo Rubio, declarou em diálogo com a Sputnik que posicionamento de oito aviões e de 400 militares representa de fato uma "pequena ocupação" do Uruguai pelas forças de Washington.


Reprodução

"A verdade é que não nos parece bem transformar Uruguai em uma base de operações militares do imperialismo norte-americano. Tampouco nos parece bem transformar o Uruguai em um alvo: se vierem com tanto poderio militar, é porque há algum problema", afirmou o deputado, acrescentando ser errado colocar Uruguai no meio de um problema que o país nem faz parte.

A polêmica ao redor da presença de tropas estrangeiras durante a cúpula do G20 foi gerada pelo projeto de lei sobre a autorização do ingresso de efetivos dos EUA e potencialmente de outros países de 26 de novembro a 3 de dezembro. Segundo a Constituição uruguaia, para adotar a lei, é necessária aprovação da maioria na Assembleia Geral.

Para Rubio, é triste que "Donald Trump queira usar Uruguai como base de operações do Exército americano", especialmente levando em conta que o país sul-americano não participa da cúpula.

"Estamos simplesmente na vizinhança da Argentina. Se a cúpula é na Argentina, por que não se instalar no seu território?", indagou.

Segundo informações, concedidas pelo governo à Assembleia Geral, em Montevidéu desembarcarão três aeronaves quadrimotoras de reabastecimento aéreo KC-135, dois aviões de transporte e três radares aéreos AWACS para dar "apoio logístico e segurança" à delegação, chefiada por Trump.

O projeto de lei enfrentou crítica de partidos de centro-direita quanto aos defeitos do projeto e à possível ameaça à soberania do país.

Explicando motivos de projeto, o governo alegou "importância da cúpula e curtos prazos para sua realização".

O presidente da Comissão da Defesa do Senado do Uruguai, Javier García, expressou preocupação com autorização da entrada de tropas estrangeiras. Em principio, ele não é contra a entrada de militares dos EUA, mas não está contente com o posicionamento de instalações de outros países sem autorização apropriada.

Eduardo Rubio lembrou que os EUA já posicionaram suas forças no Uruguai em 2007 durante a visita oficial do presidente norte-americano George W. Bush. Uruguai ficou "vários dias ocupado", comentou Rubio, citando palavras do general Victor Licandro.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas