Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

EUA explicam planos de sancionar Irã: 'Espremê-los até que não sobre nada'

Devido às tentativas do Irã de contornar as sanções contra comércio e setor bancário, os EUA intensificarão as restrições contra Teerã, informou a Reuters.


Sputnik

Na terça-feira (13) em Singapura, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, disse que "o objetivo tem sido desde o princípio reduzir a zero as exportações de petróleo do Irã".


Resultado de imagem para john bolton
John Bolton | Photo by Ethan Miller/Getty Images

"É nossa intenção espremê-los [iranianos] com muita força. Como dizem os britânicos: 'Espremê-los até que não sobre nada'", ressaltou.

O Departamento do Tesouro dos EUA reintroduziu restrições econômicas contra o país árabe no dia 5 de novembro, além de incluir mais de 700 pessoas e empresas iranianas em uma "lista negra".

Com a justificativa de "estabilidade e integridade do sistema financeiro global", o sistema intercambiário internacional SWIFT suspendeu seus serviços para vários bancos iranianos.

Já a subsecretária do Tesouro, Sigal Mandelker, declarou na segunda-feira (12) que Washington aplicará rigorosamente o regime de sanções contra Teerã e que o Banco Central do Irã foi desligado do sistema SWIFT.

A principal meta da "pressão econômica sem precedentes" norte-americana contra o país árabe é estabelecer "um acordo global que impeça permanentemente o Irã de adquirir uma arma nuclear e consiga a cessação do desenvolvimento dos mísseis balísticos do Irã".


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas