Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Ex-deputado ucraniano aconselha Kiev a realizar guerra-relâmpago até Moscou

Kiev deve realizar uma blitzkrieg, ou seja, uma guerra-relâmpago, cujo alvo final é conquistar Moscou, declarou ao canal ZIK o ex-deputado ucraniano Taras Chernovol.


Sputnik

O ex-parlamentar expressou a sua ideia original comentando as eleições nas repúblicas autoproclamadas de Donbass e a possível resposta de Kiev.


Resultado de imagem para Taras Chernovol
Taras Chernovol | Reprodução

"Nós não podemos ocupar esses territórios [Donbass] por uma razão, porque é necessário acabar a blitzkrieg não em Donetsk, mas na Praça Vermelha em Moscou", anunciou Taras Chernovol ao canal ZIK.

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o deputado da Crimeia Stepan Kiskin sublinhou que a opinião de Chernovol é apoiada por outros políticos ucranianos. Assim, Yulia Timoshenko, a líder do partido Batkivschina (Pátria), apelou a bombardear Donbass com armas nucleares.

"Não há pessoas normais nas autoridades [da Ucrânia], eles todos enlouqueceram, a julgar por estas afirmações. A ideologia de Bandera devora a Ucrânia, como se fosse um câncer", comentou Kiskin, acrescentando que isso levará ao desmembramento do país ou uma revolta.

"É um verdadeiro fascismo que não pode viver sem provocações, sem guerra, violência", concluiu o político.

Anteriormente o deputado ucraniano Igor Mosiichuk disse que a Rússia poderá enfrentar a ocupação pela Ucrânia. Segundo a sua opinião, no Dia da Unidade em 4 de novembro a Rússia celebra a libertação não das forças de ocupação polonesas, mas dos "cossacos ucranianos".

As eleições dos dirigentes e deputados nas autoproclamadas repúblicas de Donetsk e de Lugansk decorreram em 11 de novembro. Kiev anunciou que não as reconhecia.

De acordo com o porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, as eleições em Donbass não contradizem os Acordos de Minsk.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas