Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Exército: Síria tem direito de combater EUA no seu território de todos os modos possíveis

A Síria tem direito de combater a presença militar dos EUA e outros países da coalizão internacional no seu território de todos os modos possíveis, disse o general de brigada Hasan Ahmad Hasan.


Sputnik

Comentando a criação de uma nova base militar francesa perto da cidade síria de Raqqa, Hasan lembrou que a França faz parte da coalizão internacional de luta contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia), encabeçada pelos EUA.


Exército sírio finalmente liberta a província de Daraa
Militares sírios © Sputnik / Mikhail Alaeddin

"A França faz parte de uma coalizão que declarou sua intenção de dividir o país e toda a região. Esta é a lógica principal das suas ações", disse ele em uma entrevista à Sputnik.

O general de brigada lembrou também que um Estado só tem o direito de estar presente militarmente em outro Estado a pedido deste ou se tiver o mandato do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

"Portanto, a única presença [estrangeira] é a presença militar russa, das forças iranianas e das forças da resistência nacional do Líbano [o movimento Hezbollah], que chegaram ao país e ficam no território sírio a pedido da Síria. Quaisquer outras formas de presença militar, tais como a turca, estadunidense, britânica, francesa, alemã ou dos países do golfo Pérsico, quaisquer outras formas de presença militar e o envio de forças armadas são ilegais", explicou Hasan.

"Dado que o Estado não controla algumas regiões geográficas do país, o Estado e os que o apoiam têm o direito de combater essa presença ilegal, essa ocupação de todos os modos possíveis", afirmou ele.

O general sublinhou que o objetivo da coalizão é manter o status quo o maior tempo possível, frente à sua incapacidade de atingir seu objetivo principal – a divisão da Síria.

Além disso, Hasan sublinhou que, em vez de combater o Daesh, os EUA e seus aliados da coalizão apoiam os terroristas.

"É precisamente essa coalizão que chefia o Daesh e controla suas atividades, é ela que distribui tarefas entre vários grupos […] O único fato provado a todo o mundo é que os EUA e seus aliados não combatem o terrorismo, eles só fingem combater", declarou ele.

Como prova disso, o general lembrou as informações de que aviões e helicópteros dos EUA evacuaram os líderes do Daesh das zonas de combate.

"Quando o Exército sírio avançava em qualquer região, a aviação dos EUA realizava uma agressão direita contra ele. Para além da aviação estadunidense, havia a israelense ou a aviação de outros países, o que prova que a coalizão combate contra tudo exceto o terrorismo", revelou ele.

Hasan sublinha que as autoridades sírias têm a intenção de recuperar todos os territórios que estão sob ocupação turca, norte-americana e de outras forças.

"Os que pensam que a Síria deixará qualquer pedaço de terra sob o controle das forças turcas, norte-americanas ou quaisquer outras, devem pensar mais uma vez", disse ele.

Hasan comentou também que o fornecimento dos sistemas de defesa aérea S-300 pela Rússia, como parte da resposta de Moscou aos ataques aéreos israelenses na Síria que levaram à derrubada acidental de um avião russo, minimizou a possibilidade de os novos ataques de Israel contra a Síria serem bem sucedidos.

A Síria está em estado de guerra civil desde 2011. As forças do governo enfrentam grupos de oposição e organizações terroristas. A Rússia, ao lado da Turquia e do Irã, é um dos países garantes do regime de cessar-fogo na Síria.

Comentários

Postagens mais visitadas