Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Forças russas possuem 30 vezes mais mísseis de cruzeiro do que 6 anos atrás

O número de mísseis de cruzeiro à disposição do Exército russo aumentou 30 vezes nos últimos seis anos, relatou o jornal das Forças Armadas russas, Krasnaya Zvezda.


Sputnik

Além disso, a quantidade de portadores de baseamento terrestre, marítimo e aéreo cresceu mais de 12 vezes, diz a matéria do jornal.


Lançamento de mísseis de cruzeiro russos dos navios da Frota do Mar Cáspio para atacar as posições do Estado Islâmico na Síria
Lançamento de míssil de cruzeiro russo © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia

O aumento se deve antes de tudo à entrega de sistemas de mísseis tático-operacionais Iskander-M, bem como de navios e submarinos equipados com mísseis de cruzeiro Kalibr.

A mídia também informou que o país está terminando o desenvolvimento de drones capazes de alcançar qualquer destino na Europa continental, se decolarem da região de Kaliningrado (parte mais ocidental da Rússia) ou de voar até o Canadá se partirem do distrito autônomo de Chukotka, no Extremo Oriente do país.

"Estamos terminando o desenvolvimento de sistemas inovadores capazes de efetuar tarefas a uma distância de até três mil quilômetros", diz o artigo.

Segundo informações, a Rússia criou nos últimos seis anos quase 40 unidades militares especializadas em veículos aéreos não tripulados, que receberam mais de 1,8 mil drones capazes de realizar operações de reconhecimento a distâncias de até 500 quilômetros.

Comentários

Postagens mais visitadas