Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Gorbachov chama EUA para retomar diálogo com a Rússia sobre armas nucleares

O último presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachov, pediu que os Estados Unidos retomem um "diálogo sério" com a Rússia sobre o problema das armas nucleares e alertou contra as "perigosas tendências destrutivas" na política mundial, em artigo publicado nesta quarta-feira no jornal "Vedomosti".
EFE

Moscou - Após constatar uma ruptura da comunicação entre Moscou e Washington, o ex-líder soviético se dirigiu em particular aos congressistas americanos para pedir que deixem de lado suas diferenças partidárias para facilitar um "diálogo sério" entre ambos os países.


"Estou convencido de que a Rússia está preparada (para o diálogo)", ressaltou Gorbachov, que manifestou preocupação com a suspensão, primeiro pelos EUA e depois pela Rússia, do Tratado de Eliminação dos Mísseis de Médio e Curto Alcance (INF), que ele assinou em 1987 com o então presidente americano, Ronald Reagan.

Gorbachov apontou que por trás da decisão de Washington de deix…

Lei Marcial na Ucrânia não afetará Donbass, diz Poroshenko

O presidente ucraniano Pyotr Poroshenko disse no domingo (25) que a Lei Marcial no país não afetará a situação na região de Donbass e não aponta para uma ofensiva por parte de Kiev.


Sputnik

Mais cedo no domingo (25), durante uma reunião do Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia, Poroshenko apoiou a proposta de imposição de uma Lei Marcial. Logo após, o Conselho aprovou a Lei Marcial no país por 60 dias, porém, a decisão ainda precisa ser ratificada pelo parlamento ucraniano.


Pyotr Poroshenko, presidente da Ucrânia (foto de arquivo)
Presidente ucraniano Pyotr Poroshenko © Foto : Serviço de imprensa do presidente da Ucrânia

"A introdução da Lei Marcial não significa de forma alguma que a Ucrânia conduzirá quaisquer ações ofensivas. A Ucrânia conduzirá ações exclusivamente para defender seu território, proteger e garantir a segurança de seus cidadãos. Isso também não significa uma mudança na posição nas linhas de contato em certas áreas das regiões de Donetsk e Lugansk e outras áreas", disse o presidente ucraniano em um discurso transmitido pelos canais locais.

Poroshenko também afirmou que a introdução da Lei Marcial não implica na restrição de direitos e liberdades dos cidadãos.

De acordo com o presidente, a possível introdução da Lei Marcial no país também não significa que Kiev rejeita os acordos de Minsk, acrescentando que o país tem intenção de cumprir todas as suas obrigações internacionais.

O conflito em Donbass explodiu em 2014, quando autoridades ucranianas lançaram uma operação militar contra as autoproclamadas Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk, que se recusaram a reconhecer o novo governo em Kiev, considerado golpista pelas duas repúblicas.

Em fevereiro de 2015 as partes assinaram acordos de paz para acabar com as hostilidades na região, mas a situação continuou tensa e com acusações mútuas de violações do acordo de cessar-fogo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas