Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Macron elogia herói na Primeira Guerra que se aliou aos nazistas na Segunda e é criticado

Políticos opositores e líderes judeus condenaram declarações do presidente francês.


France Presse

O presidente francês, Emmanuel Macron, enfrentou nesta quarta-feira (7) uma onda de críticas após ter qualificado o colaboracionista nazista Philippe Pétain, que comandou o regime autoritário francês de Vichy, como um "grande soldado" durante a Primeira Guerra Mundial.

Resultado de imagem para Declaração polêmica do presidente da França provoca onda de críticas
Declaração polêmica do presidente da França provoca onda de críticas

O porta-voz do Exército, Patrik Steiger, anunciou que no sábado será celebrada uma cerimônia em homenagem aos oito marechais que comandaram as forças francesas durante a Primeira Guerra Mundial, incluindo Pétain.

"É legítimo que façamos uma homenagem aos marechais que levaram o Exército à vitória", disse Macron na cidade de Charleville-Mézières, no âmbito de uma viagem pelo norte e leste da França pelo centenário do final do primeiro conflito mundial.

"Durante a Primeira Guerra Mundial foi um grande soldado, é um fato", declarou o presidente francês, embora tenha acrescentado que Pétain tomou "decisões desastrosas" durante a Segunda Guerra Mundial, ao colaborar com o regime nazista.

Seus comentários provocaram duras críticas por parte de políticos opositores e de líderes judeus, ao abrir um doloroso capítulo da história da França que continua dividindo o país há décadas.

Francis Kalifat, do Conselho representativo das instituições judaicas da França (Crif), disse que estava "chocado" com os comentários de Macron e lembrou que Pétain foi julgado por "alta traição".

"Pétain é um traidor e um antissemita", tuitou Jean-Luc Mélenchon, do partido de extrema esquerda França Insubmissa, fazendo eco de várias mensagens furiosas.

Condenado a prisão perpétua

Durante muito tempo, Philippe Pétain foi considerado um excelente estrategista, sobretudo por ter detido o avanço alemão em Verdun em 1916.

Mas durante a Segunda Guerra Mundial comandou o regime de Vichy, que colaborou ativamente com os ocupantes nazistas. Foi condenado à morte por traição, mas sua pena foi comutada à prisão perpétua.

"Não perdoo" os atos de Pétain, mas "não apago nada" da história da França, declarou Macron mais tarde, tentando acabar com a polêmica.

'Falsa polêmica'

O presidente não irá à cerimônia de sábado no Museu dos Inválidos, em Paris, mas enviará seu assessor militar para que o represente.

Nesta quarta-feira, um porta-voz do governo tentou minimizar o que ele chamou de "falsa polêmica", dizendo que inclusive Charles de Gaulle acreditava que a glória de Pétain conquistada em Verdun "não poderia ser questionada".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas