Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Militares sírios estão aprendendo a operar sistema unificador dos S-300 e Buk russos

Segundo o representante oficial do Ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov, militares russos seguem instruindo soldados de defesa antiaérea da Síria como operar o sistema de gerenciamento unificado dos S-300 e Buk, recentemente recebido pelo país árabe.


Sputnik

O sistema, que os militares sírios passarão a operar quando estiverem prontos, trata-se do Polyana-D4, um sistema de gerenciamento unificado capaz de controlar diferentes sistemas de mísseis, radares e canhões antiaéreos.


Sistema russo de mísseis anti-balísticos S-300VM Antey-2500. Os sistema de mísseis terra-ar do tipo S-300-S são projetados para abater uma variedade de mísseis balísticos de curto e médio alcance dentro de uma faixa de 2.500 km
S-300 Favorit © Sputnik / Aleksandr Vilf

Além disso, o sistema funciona através do recebimento de dados de diferentes fontes, gerenciando automaticamente a resposta de armamentos direcionada às ameaças detectadas. O Polyana-D4 também é capaz de unir entre 32 e 48 lançadores, ou seja, quatro regimentos dos sistemas S-300 e Buk.

Para realizar o monitoramento, o Poliana-D4 utiliza radares terrestres e aéreos A-50, o que faz com que o sistema seja capaz de monitorar até 500 alvos aéreos e mirar em 255 objetivos.

Sendo assim, o sistema teria como objetivo principal a integração dos sistemas de defesa antiaérea, além da automatização do processo de respostas contra eventuais ataques, permitindo, assim, uma maior agilidade no lançamento de mísseis contra eventuais ameaças.

Os sistemas russos passarão a integrar as forças sírias, já que os armamentos utilizados eram praticamente obsoletos, sendo um dos pontos fracos do país.

Ressaltando que o Buk é um sistema de defesa antiaérea que foi desenvolvido pela antiga União Soviética. Ele é capaz de interceptar praticamente todos os mísseis de cruzeiro e alvos aerodinâmicos, permitindo o disparo em movimento, o que o torna um sistema eficaz.

Já os sistemas S-300 fornecidos à Síria possuem um alcance de até 250 quilômetros e são capazes de destruir tanto aeronaves de guerra eletrônica como aviões com sistema AWACS (Sistema Aéreo de Alerta e Controle).

No início de outubro, a Defesa russa anunciou que havia finalizado a entrega de quatro sistemas S-300 ao país árabe e que os militares locais seriam treinados para operá-los em três meses.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas