Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

'Não vejo solução para este conflito': analista comenta confronto entre Israel e Palestina

O confronto entre Israel e Palestina na Faixa de Gaza não será resolvido em um futuro próximo, a próxima escalada do conflito palestino-israelense se deve à questão ainda não resolvida do estatuto da Faixa de Gaza, disse o editor-chefe da revista Arsenal Otechestva, coronel Viktor Murakhovsky.


Sputnik

Mais cedo, os militares israelenses relataram que na noite passada atacaram cerca de 150 alvos na Faixa de Gaza desde o início da atual rodada de confrontos com militantes palestinos, que dispararam em meio dia quase 400 foguetes e granadas de morteiro contra o sul de Israel. 


Fronteira entre Israel e Faixa de Gaza
Fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza © REUTERS / Amir Cohen

"Se você olhar em retrospectiva, o que está acontecendo agora em Gaza é uma situação comum. Falando sobre a situação atual, isto é uma agudização do confronto entre Israel e Palestina. A confrontação está se agravando porque não foi resolvida a questão do estatuto da Faixa de Gaza, da entrada no território de Israel. Esta é uma questão fundamental, mas Israel não quer resolvê-la. É difícil dizer como o conflito poderia acabar", disse Murakhovsky.

Segundo o especialista, todas as propostas que a Rússia e a ONU têm apresentado para resolver o conflito são bloqueadas pelos aliados de Israel, os Estados Unidos, eles têm repetidamente imposto o veto sobre essas propostas. "Em um futuro previsível, eu não vejo uma solução para este conflito", acrescentou o analista.

Desde o início da atual rodada de confrontos, que se tornou a maior desde a guerra de 2014, os israelenses contaram 370 lançamentos de foguetes e granadas de morteiro a partir da Faixa de Gaza, dos quais cerca de cem foram interceptados pelo sistema de defesa antimíssil Iron Dome (Cúpula de Ferro).

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas