Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

'Não vejo solução para este conflito': analista comenta confronto entre Israel e Palestina

O confronto entre Israel e Palestina na Faixa de Gaza não será resolvido em um futuro próximo, a próxima escalada do conflito palestino-israelense se deve à questão ainda não resolvida do estatuto da Faixa de Gaza, disse o editor-chefe da revista Arsenal Otechestva, coronel Viktor Murakhovsky.


Sputnik

Mais cedo, os militares israelenses relataram que na noite passada atacaram cerca de 150 alvos na Faixa de Gaza desde o início da atual rodada de confrontos com militantes palestinos, que dispararam em meio dia quase 400 foguetes e granadas de morteiro contra o sul de Israel. 


Fronteira entre Israel e Faixa de Gaza
Fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza © REUTERS / Amir Cohen

"Se você olhar em retrospectiva, o que está acontecendo agora em Gaza é uma situação comum. Falando sobre a situação atual, isto é uma agudização do confronto entre Israel e Palestina. A confrontação está se agravando porque não foi resolvida a questão do estatuto da Faixa de Gaza, da entrada no território de Israel. Esta é uma questão fundamental, mas Israel não quer resolvê-la. É difícil dizer como o conflito poderia acabar", disse Murakhovsky.

Segundo o especialista, todas as propostas que a Rússia e a ONU têm apresentado para resolver o conflito são bloqueadas pelos aliados de Israel, os Estados Unidos, eles têm repetidamente imposto o veto sobre essas propostas. "Em um futuro previsível, eu não vejo uma solução para este conflito", acrescentou o analista.

Desde o início da atual rodada de confrontos, que se tornou a maior desde a guerra de 2014, os israelenses contaram 370 lançamentos de foguetes e granadas de morteiro a partir da Faixa de Gaza, dos quais cerca de cem foram interceptados pelo sistema de defesa antimíssil Iron Dome (Cúpula de Ferro).

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas