Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Pentágono se recusa a fornecer militares para conter caravana de migrantes na fronteira

O Departamento de Segurança Interna (DHS) solicitou que o Departamento de Defesa (DoD) que enviasse soldados americanos para a fronteira sul do país. O Pentágono, porém, recusou o pedido de Trump alegando que a questão deveria ser tratada por lei estadual ou local.


Sputnik

O DHS foi encarregado pela Casa Branca de solicitar às forças de reserva do Exército dos EUA que servissem de "controle de multidões e de tráfego" para a equipe da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA (CPB). O presidente queria se preparar para impedir que o grupo de nacionais centro-americanos consiga acessar o território americano e requerer asilo.


Um migrante carregando as bandeiras do México e de Honduras dá sinal de positivo para um piloto de moto que parou para tirar sua foto, enquanto uma caravana de milhares de pessoas da América Central espera alcançar os limites da fronteira dos EUA a partir de Juchitan, estado de Oaxaca, México.
© AP Photo / Rebecca Blackwell

Embora o Pentágono tenha rejeitado o pedido, o Departamento de Defesa concordou em fornecer vigilância aérea e apoio logístico à CPB, bem como pessoal médico e engenheiros, de acordo com a CNN.

A demanda por tropas equipadas com armas de fogo foi rejeitada porque, como justificou o Pentágono, soldados da ativa não tinham a autoridade para realizar uma missão dessa natureza sem primeiro receber ordenamento adicional do presidente.

"Embora o DHS tenha discutido a necessidade de assistência potencial com a proteção da força do pessoal da CBP, chamar essa linha de apoio de 'atividades policiais' seria factualmente impreciso", disse um funcionário anônimo do DHS próximo à situação, citado por uma afiliada da rede ABC.

As tropas dos EUA em serviço ativo não são autorizadas a participar das leis domésticas, exceto em situações de emergência. Trump tem consistentemente ameaçado enviar soldados para a fronteira com o México, declarando que existe um perigo crescente de imigração em massa. Durante um discurso na quinta-feira na Casa Branca, o presidente aventou a possibilidade de que soldados dispararem contra migrantes que arremessassem pedras contra militares.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas