Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Por crise entre Ucrânia e Rússia, Donald Trump ameaça cancelar encontro com Vladimir Putin

Reunião entre os dois presidentes estava marcada para cúpula do G20, que começa na Argentina nesta semana


Por G1

Donald Trump pode cancelar o encontro com Vladimir Putin, antes previsto para ocorrer nesta semana durante a cúpula do G20 em Buenos Aires, na Argentina. Em entrevista ao jornal "The Washington Post" publicada nesta terça-feira (27), o presidente dos Estados Unidos disse que o motivo do cancelamento será a nova crise entre Rússia e Ucrânia, iniciada no domingo.


Montagem com fotos de Putin e Trump — Foto: Pavel Golovkin/Pool via Reuters; Jonathan Ernst/Reuters
Montagem com fotos de Putin e Trump — Foto: Pavel Golovkin/Pool via Reuters; Jonathan Ernst/Reuters

"Talvez eu não vá ao encontro. Eu não gosto dessa agressão. Eu não quero essa agressão de jeito nenhum", disse Trump ao "Post".

Ao jornal, o norte-americano disse aguardar um "relatório completo" da equipe de segurança nacional sobre a crise no Leste Europeu.

Trump já havia reagido à crise entre Rússia e Ucrânia na segunda-feira, ao sair da Casa Branca. "Nós não gostamos do que está acontecento, de maneira alguma. E espero que isso [a crise] seja resolvida", declarou, segundo a agência Reuters.

Putin: 'séria preocupação'

Mais cedo nesta terça-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, expressou a "séria preocupação" de Moscou depois que a Ucrânia instaurou a lei marcial, que prevê mobilização de forças militares, entre outras medidas. O Kremlin teme uma escalada na tensão na Crimeia, região da Ucrânia anexada pela Rússia em 2014.


Mapa mostra trajeto das embarcações da Ucrânia atacadas por navios da Rússia — Foto: Fernanda Garrafiel/G1
Mapa mostra trajeto das embarcações da Ucrânia atacadas por navios da Rússia — Foto: Fernanda Garrafiel/G1

Putin pediu à chanceler da Alemanha, Angela Merkel, que tente dissuadir Kiev de qualquer ato "irracional" em resposta à captura de três embarcações ucranianas pela frota de Moscou no domingo. Além dos dois navios de patrulha e de um rebocador, tropas russas detiveram 20 marinheiros ucranianos.

Na Ucrânia, a lei marcial permite uma série de restrições, incluindo limitações de movimentação e assembleia pacífica, toques de recolher e restrições à mídia (veja mais aqui), embora o decreto de Poroshenko não faça referência específica a tais medidas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas