Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Por que há americanos tão preocupados com acesso da Rússia às águas de Gibraltar?

Para analistas de um instituto de pesquisa americano, o estreito de Gibraltar pode ser o novo foco de tensões entre EUA e Rússia.


Sputnik

A Heritage é uma fundação conservadora com sede em Washington, e tem como missão formular e promover políticas públicas conservadoras do livre mercado, governo limitado, liberdade individual, valores tradicionais e uma forte defesa nacional. Além disso, ela possui forte influência no Partido Republicano.


Porto de Gibraltar
Porto de Gibraltar © AFP 2018 / MARCOS MORENO

Para o especialista em defesa e segurança, Luke Coffey, o acesso da Rússia ao porto de Ceuta é algo "preocupante", principalmente pela proximidade do local a Gibraltar, que é utilizado por submarinos americanos para manutenção e reabastecimento.

A presença de submarinos russos nas proximidades poderia prejudicar a inteligência e segurança dos EUA e seus aliados. Coffey não aceita a postura espanhola, ressaltando que "a política da Espanha de permitir que a Marinha russa utilize o porto de Ceuta é cada vez mais indefensável, levando em consideração a relutância espanhola, que permite que embarcações da OTAN realizem viagens diretas entre Gibraltar e portos espanhóis".

Entretanto, o que incomoda Coffey é o fato de a Espanha restringir o acesso dos EUA e de outros membros da OTAN de percorrerem por Gibraltar. Dentre as restrições, ele cita a grande dificuldade que as embarcações americanas enfrentam ao tentarem atracar em portos espanhóis.

O especialista ainda cita que os EUA enfrentam a mesma dificuldade com aviões, já que devem pedir autorização frequentemente para percorrerem por Gibraltar, ressaltando que os aviões militares devem desviar a rota por países vizinhos, evitando o estreito de Gibraltar.

Diante da situação, o especialista acredita que os EUA devam enviar uma mensagem clara à Espanha, informando que a entrada de embarcações militares russas no estrito de Gibraltar é inaceitável.

Coffey afirma que "não é o momento para que um membro da OTAN acolha a Marinha russa enquanto a maioria dos Estados-membros elevam as sanções econômicas contra a Rússia, expulsam seus diplomatas e reforçam a segurança na Europa contra a ameaça russa".

Ele acredita que os EUA deveriam aproveitar todas as oportunidades para convencer os espanhóis a evitarem a Rússia na região, mesmo que seja através de uma forte pressão dos EUA e de aliados, pois acredita que a Rússia seja uma "ameaça" e que a atitude da Espanha seja inaceitável.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas