Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

'Provocação da Ucrânia': Rússia convoca reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU

A Rússia solicitou uma reunião urgente dos membros do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) para as 14h (horário de Brasília) desta segunda-feira (26) para discutir a situação no mar de Azov, disse o primeiro vice-embaixador russo à ONU, Dmitry Polyansky.


Sputnik

Em sua conta no Twitter, Dmitry Polyansky afirmou que a reunião foi marcada para discutir "provocações perigosas da Ucrânia no mar de Azov e no estreito de Kerch, próximo à Crimeia, colocando em risco a paz e a segurança internacional".


Embaixador da Rússia na ONU, Vassily Nebenzia, fala durante um encontro do Consleho de Segurança da ONU, em 18 de Abril de 2018.
Embaixador da Rússia na ONU, Vassily Nebenzia © AP Photo / Mary Altaffer

No domingo (25), três navios da Marinha ucraniana, em violação dos artigos 19 e 21 da Convenção da ONU sobre o Direito do Mar, cruzaram a fronteira marítima russa.

O navios adentraram uma área temporariamente fechada das águas territoriais russas e se moviam do mar Negro em direção ao Estreito de Kerch, de acordo com o Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB).

Um outro grupo de navios se dirigia para o Estreito de Kerch a partir do porto de Berdyansk, no mar de Azov. O Estreito de Kerch, que liga o mar Negro ao mar de Azov, foi fechado pela Rússia no domingo (26) para navios civis devido a razões de segurança.

​No mesmo dia, o FSB informou que os mesmos três navios da Marinha da Ucrânia — Berdyansk, Nikopol e Yany Kapu — haviam sido detidos por violaren a fronteira da Rússia. Segundo observado pelo FSB, os navios ucranianos não reagiram às exigências legais dos navios que os abordaram e fizeram manobras perigosas.

"Em conexão com o desenvolvimento perigoso da situação no Mar de Azov e os eventos que se seguiram, a Rússia requisitou uma convocação urgente de uma reunião aberta do Conselho de Segurança na manhã de 26 de novembro sob o item da agenda 'Manutenção de paz e segurança internacional", disse Polyansky.

Comentários

Postagens mais visitadas