Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

'Reconhecimento da derrota': Hamas comenta renúncia de ministro israelense Lieberman

O porta-voz do movimento palestino do Hamas, Sami Abu Zuhri, citado pela agência palestina SAFA, afirmou que a renúncia do ministro da Defesa israelense, Avigdor Lieberman, significa reconhecimento da derrota.


Sputnik

Hoje mais cedo, Lieberman anunciou renúncia por se opor ao término das ações militares contra combatentes palestinos na Faixa de Gaza.


Resultado de imagem para Sami Abu Zuhri
Sami Abu Zuhri

Abu Zuhri assinalou que a renúncia do ministro da Defesa israelense "é o reconhecimento da derrota e da incapacidade de confrontar a resistência palestina".

A agência acrescentou, por sua vez, que a renúncia de Lieberman "é vitória política de Gaza".

Na véspera, o ministro de Israel discordou dos colegas do governo quanto ao término dos combates na Faixa de Gaza após um dia de troca de ataques entre os dois lados. Combatentes palestinos decidiram cumprir o cessar-fogo e não o violam desde ontem (13). Lieberman chamou de "fake news" as notícias sobre ele ter votado a favor do cessar-fogo e voltou a apelar para que seja realizado um "golpe duro" ao movimento Hamas que controla o enclave.

Avigdor Lieberman assume o Ministério da Defesa israelense desde 2016, vindo a ocupar o cargo mais alto um ano depois das últimas eleições no país. Nos governos anteriores de Benjamin Netanyahu, o político era o chanceler.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas