Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Como governo Trump esvaziou resolução da ONU contra estupro em guerras

A oposição do presidente americano, Donald Trump, à legalização do aborto levou ao esvaziamento de uma resolução das Nações Unidas contra o uso de violência sexual como arma de guerra.
BBC News Brasil

Os Estados Unidos retiraram todas as referências a "saúde sexual e reprodutiva" do texto, o que, na prática, reduz o peso da resolução. O documento havia sido submetido pela Alemanha ao Conselho de Segurança da ONU. Estados Unidos, China e Rússia ameaçaram vetá-lo, se fosse mantida a redação original.

O governo Trump se opôs às menções à "saúde sexual e reprodutiva" das mulheres, com o argumento de que esse termo indica apoio ao aborto. Uma versão da resolução que exclui essa frase foi aprovada por 13 votos a 0, com abstenções de Rússia e China.

O embaixador da França nas Nações Unidas, François Delattre, criticou a exclusão do trecho, dizendo que a decisão afeta a dignidade das mulheres.

"É intolerável e incompreensível que o Conselho de Segurança da ONU seja incapaz…

Regressam à Síria dezenas de refugiados no Líbano

Dezenas de refugiados iniciaram hoje seu regresso à Síria, na talvez última onda de retorno organizado pela Segurança Geral do Líbano.


Prensa Latina

Beirute - A operação concentra-se em pontos de reunião em Akkar, Arsal, Burj Hammoud e Masnaa para depois passar pelos cruzamentos fronteiriços de Abboudieh, Al-Zamarani e Masnaa.

Reprodução

Um despacho da Agência Nacional de Notícias dá conta que nesses pontos há representantes da ONU que supervisionam as manobras.

Oficiais da Segurança Geral libanesa ou Imigração agem a cargo de viabilizar as solicitações dos refugiados dispostos a regressar por vontade própria e de organizar o transporte, bem como o único organismo libanês em contato oficial com as autoridades sírias.

Em setembro passado, o chefe da Segurança Geral, major-general Abbas Ibrahim, afirmou que no decorrer do ano cerca de 50 mil sírios retornaram ao seu país e prognosticou que o número poderá ascender a 200 mil dentro de um ano. Essas cifras, no entanto, são consideradas muito altas de acordo com estimativas da Agência da ONU para os Refugiados.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas