Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Rússia apreende navios ucranianos próximo à costa da Crimeia após disparar contra eles

Segundo a Ucrânia, três marinheiros ficaram feridos.


Reuters

A Rússia capturou três navios ucranianos na costa da Crimeia, região anexada à Rússia, neste domingo (25), após ter aberto fogo contra as embarcações e ferido marinheiros. Ação tem risco de provocar uma nova e perigosa crise entre os dois países.

Dois navios da marinha ucraniana navegam perto da Crimeia.  — Foto: ASSOCIATED PRESS
Dois navios da marinha ucraniana navegam perto da Crimeia. — Foto: ASSOCIATED PRESS

O serviço federal de segurança russo (FSB) declarou que seus barcos de patrulha de fronteira capturaram os navios ucranianos no Mar Negro e usaram armas para forçá-los a parar, informaram as agências de notícias russas.

A Ucrânia negou que seus navios tivessem feito algo de errado e o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, declarou que vai propor ao parlamento declaração da lei marcial no país nesta segunda (26). A lei restringiria as liberdades civis e daria maior poder às instituições estatais.

Ação russa

O FSB disse que foi forçado a agir porque os navios - dois pequenos navios de artilharia blindados e um rebocador - tinham entrado ilegalmente em suas águas territoriais, tentado ações ilegais e ignorado os avisos para parar enquanto manobravam perigosamente.

"As armas foram usadas com o objetivo de parar os navios de guerra ucranianos", disse o serviço de segurança em comunicado enviado à mídia estatal russa.

"Como resultado, todos os três navios da marinha ucraniana foram apreendidos nas águas territoriais da Federação Russa no Mar Negro."

O FSB disse que três marinheiros ucranianos foram feridos no incidente e estavam recebendo cuidados médicos. Suas vidas não estavam em perigo, anunciou.

Com as relações ainda cruas após a anexação da Crimeia pela Rússia e seu apoio a uma insurgência pró-Moscou no leste da Ucrânia, o incidente pode levar os dois países a um conflito mais amplo.

A Rússia anexou a Crimeia em 2014 e depois construiu uma gigantesca ponte rodoviária ligando-a ao sul do país, que atravessa o Estreito de Kerch - uma estreita faixa de água que liga o Mar Negro ao Mar de Azov, que abriga dois dos portos mais importantes da Ucrânia.

O controle russo da Crimeia, onde sua frota do Mar Negro está baseada, e da ponte significa que o país é capaz de controlar os fluxos de navios.

A crise começou neste domingo, depois que a Rússia impediu que os três navios ucranianos entrassem no Mar de Azov, colocando um navio de carga sob a ponte.

Resposta da Ucrânia

A Ucrânia negou as declarações russas, acusou o país de agressão militar, e pediu que a comunidade internacional se mobilizasse para punir a Rússia.

Uma testemunha da Reuters disse que a Rússia apoiou seu bloqueio com pelo menos dois aviões Sukhoi Su-25. A TV estatal russa disse que helicópteros de combate foram enviados à área.

A marinha ucraniana disse nas redes sociais que seis de seus marinheiros haviam sido feridos na apreensão subsequente de seus navios. E que o ataque russo ocorreu depois que eles recuaram e se dirigiram de volta para Odessa, porto no Mar Negro onde tinham começado sua jornada.

"Depois de deixar a zona de 12 milhas, o FSB (serviço de segurança) da Federação Russa abriu fogo contra a flotilha pertencente às forças armadas da Ucrânia", afirmou a marinha ucraniana em um comunicado.

A União Europeia afirmou que esperava que a Rússia restaurasse a liberdade de passagem através do Estreito de Kerch e pediu aos dois lados que agissem com a máxima moderação para desescalar a situação. Um porta-voz da OTAN fez um apelo semelhante aos dois lados.

Risco de conflito maior


Um tratado bilateral dá à Rússia e à Ucrânia o direito de usar o Mar de Azov, que fica entre eles e está ligado pelo Estreito de Kerch ao Mar Negro. Desde que a Rússia anexou a Crimeia, a tensão aumentou com os dois países reclamando sobre atrasos e perseguição de navios.

Mais cedo neste domingo, o serviço de guarda de fronteiras da Rússia acusou a Ucrânia de não informar antes sobre a viagem dos três navios. Kiev negou.

A Rússia disse que os navios ucranianos manobraram perigosamente e ignoraram suas instruções com o objetivo de aumentar as tensões.

Políticos russos denunciaram Kiev, dizendo que o incidente parecia uma aposta calculada de Poroshenko para aumentar sua popularidade antes das eleições do próximo ano.

Em outro sinal de crescentes tensões, a agência estatal russa de notícias RIA informou que forças ucranianas começaram a bombardear áreas residenciais no leste da Ucrânia, controladas por separatistas pró-Moscou.

A Reuters não confirmou isso de forma independente e a agência de notícias Interfax informou que os separatistas negaram que houvesse uma escalada incomum.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas