Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Rússia não vê necessidade de intermediários para resolver crise no estreito de Kerch

O ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, declarou nesta terça-feira (27) que não vê a necessidade de intermediários para resolver a situação no Mar de Azov, onde três navios da Marinha ucraniana violaram a fronteira do estado da Rússia no último domingo.


Sputnik

"Quanto ao incidente na entrada do Estreito de Kerch, no Mar Negro, ontem, esta situação foi discutida em uma conversa telefônica entre o presidente Vladimir Putin e a chanceler alemã Angela Merkel", disse Lavrov em entrevista coletiva.


Russian Foreign Minister Sergei Lavrov during talks with Japanese сcounterpart Taro Kono and Japanese Defense Minister Itunori Onodara in the 2 + 2 format.
Sergei Lavrov © Sputnik / Ramil Sitdikov

Segundo ele, durante a conversa chegou-se a um certo entendimento, que será implementado em um futuro próximo.

"Não vejo necessidade de intermediários", disse o ministro das Relações Exteriores da Rússia, ao ser perguntado se Moscou acredita que a situação foi tão longe que seria necessária a ajuda de intermediários.

Na segunda-feira (26), após o incidente com navios ucranianos no estreito de Kerch, a Suprema Rada (parlamento ucraniano) aprovou a decisão de impor a lei marcial por um prazo de 30 dias, abrangendo diferentes partes do país, decisão apoiada pelo presidente Pyotr Poroshenko.

No domingo (25), três navios ucranianos violaram a fronteira russa no mar Negro e realizaram manobras perigosas ignorando os avisos das embarcações russas. A parte russa tomou a decisão de deter os navios junto com 24 marinheiros. Durante a detenção, três militares ucranianos ficaram levemente feridos e receberam assistência médica, não correndo risco de vida.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas