Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Rússia sanciona 322 pessoas e 68 empresas ligadas ao governo da Ucrânia

O governo russo impôs nesta quinta-feira sanções a 322 pessoas e 68 empresas vinculadas ao governo ucraniano, entre elas políticos, empresários, militares e integrantes da Justiça e dos serviços de inteligência.


EFE

Moscou - O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, assinou hoje a resolução com a "lista negra" dos sancionados solicitada pelo presidente Vladimir Putin, em 22 de outubro, em resposta às ações "poucas amistosas" da Ucrânia, "contrárias à lei internacional e relacionadas à imposição de restrições a cidadãos e entidades da Rússia".


Foto de arquivo que mostra o presidente Russo, Vladímir Putin (dir.), e o primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev (esq.). EFE/ Yuri Kochetkov
Foto de arquivo que mostra o presidente Russo, Vladímir Putin (dir.), e o primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev (esq.). EFE/ Yuri Kochetkov

De acordo com a agência de notícias russa "RIA Novosti", a lista inclui Olexiy, filho mais velho do presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko; os ministros ucranianos do Interior, Arsen Avakov, e da Defesa, Stepan Poltorak; o vice-ministro da Defesa, Pavlo Petrenko; o secretário do Conselho de Segurança Nacional e da Defesa, Oleksandr Turchynov; e o responsável do Serviço de Segurança, Vasyl Hrytsak.

Também figuram o procurador-geral da Ucrânia, Yuriy Lutsenko; o chefe do Estado Maior, Viktor Muzhenko; e o embaixador ucraniano nos Estados Unidos, Valeriy Chaly.

Entre os sancionados estão ainda os ex-primeiros-ministros Yulia Tymoshenko e Arseniy Yatsenyuk, o ex-líder do radical "Setor de Direitas" Dmytro Yarosh e o executivo-chefe da Naftogaz, Andriy Kobolyev.

De acordo com o presidente russo, as sanções impostas poderão ser canceladas se a Ucrânia suspender as suas.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse à imprensa que o governo espera que com isso os líderes ucranianos "cedo ou tarde mostrem uma pequena vontade política de normalizar as relações com a Rússia", conforme a agência "Itar-Tass".

A Rússia tomou essa decisão depois que a Ucrânia impôs restrições, em setembro, às empresas russas RZD Logistics, Promkompleksplast e Gazgolder, pela colaboração com as repúblicas autoproclamadas de Lugansk e Donetsk, no leste ucraniano. Meses antes, em maio, Poroshenko assinou um decreto com novas sanções contra a Rússia e estendeu as impostas desde 2014, quando o país fez a anexação da Península da Crimeia.

As sanções da Ucrânia são dirigidas a quase 1.750 pessoas e 750 entidades. Elas afetam principalmente empresas russas dos setores de Defesa, tabaco, aviação, transporte e finanças, assim como jornalistas, políticos, ativistas, militares e empresários com negócios na Crimeia.

Comentários

Postagens mais visitadas