Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Senador afirma que ações dos EUA têm único objetivo: preparar uma agressão contra Rússia

O vice-presidente do Comitê de Defesa e Segurança do Conselho da Federação Russa, Frants Klintsevich, comentou as recentes informações sobre o aumento das despesas militares do Pentágono.


Sputnik

Segundo a edição Defense One, em 2017 o Pentágono gastou US$ 19 bilhões (R$ 70,4 bilhões) em inteligência, enquanto este ano alocou US$ 22 bilhões (R$ 81,5 bilhões).


Franz Klintsevich: "Ao aumentar os gastos militares, os Estados Unidos estão se preparando para hostilidades ativas, inclusive contra a Rússia"
Frants Klintsevich, Primeiro Vice-Presidente do Comitê do Conselho da Federação de Defesa e Segurança.

De acordo com o senador russo, tudo isso sugere que os Estados Unidos estejam se preparando para hostilidades ativas, inclusive contra a Rússia.

"O orçamento total do Departamento de Defesa dos Estados Unidos é de US$ 700 bilhões (R$ 2,6 trilhões), outros US$ 800 bilhões (R$ 2,9 trilhões) serão gastos para rearmar [o exército] o mais rapidamente possível", disse Klintsevich em entrevista ao jornal russo Zvezda.

"Tudo isso significa que os EUA estão se preparando para ações de combate ativas, inclusive contra a Rússia. Sim, é claro, essas somas incluem a criação de novos empregos e o desenvolvimento da indústria, mas tudo isso é feito com apenas um objetivo: preparar uma agressão contra a Rússia", afirmou.

Na opinião do senador, as intenções dos Estados Unidos são evidentes, por exemplo, no caso da Ucrânia. Segundo Klintsevich, o país se tornou uma ferramenta, um meio "provocador", por meio do qual os Estados Unidos estão tentando encontrar os pontos fracos da Rússia.

No total, os EUA gastaram mais de US$ 59 bilhões (R$ 218,7 bilhões) em operações militares efetuadas fora de seu território. Isso excede o orçamento militar total da Rússia, que, segundo o ministro da Defesa da Rússia Sergei Shoigu, em 2018 é de US$ 46 bilhões (R$ 170,5 bilhões).

"O Pentágono entrou em uma fase ativa: a opinião pública já foi preparada e os norte-americanos estão se preparando para passar às hostilidades. A única coisa que nos permite reagir com calma a essas mensagens é a confiança de sabermos que a Rússia pode proteger seus cidadãos. E agora essa possibilidade foi criada. Estamos absolutamente prontos para defender nosso país ", concluiu.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas