Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Sistema chinês de defesa antiaérea seria derivado do S-300 russo, diz especialista

O sistema de defesa chinês HQ-9 seria semelhante ao sistema russo S-300 não só na aparência como também nas especificações.


Sputnik

Especialista da revista The National Interest, Charlie Gao, analisou recentemente o sistema chinês na tentativa de entender se o equipamento seria mais uma cópia chinesa dos equipamentos russos.


HQ-9
HQ-9 © Foto: Wikipedia

Apesar de a China ser conhecida por copiar armamentos de outras nações, principalmente da Rússia, vale ressaltar que, desde 1956, a China não recebeu ajuda da União Soviética relacionada a sistemas antiaéreos. Desde então, os chineses desenvolveram apenas sistemas de curto e médio alcance, como o HQ-61 e HQ-6.

O sistema chinês HQ-9 surgiu na década de 80, quase no mesmo período em que os sistemas russos e americanos surgiram. Entretanto, o problema da China era a lentidão no desenvolvimento de seus armamentos.

Diante do problema enfrentado pelos chineses e da oportunidade de adquirir os sistemas russos S-300PMU1, o gigante asiático não pensou duas vezes e optou pela aquisição dos sistemas antiaéreos russos. Pouco depois da aquisição, surgiram os primeiros sistemas HQ-9 produzidos pela China, o que gerou desconfiança de que os chineses teriam utilizado os sistemas S-300 para desenvolver seus sistemas HQ-9, porém, a China nega qualquer relação entre os dois armamentos, afirma o especialista.

O fato de a China não confirmar a relação, não convence o Ocidente, que também acredita que os sistemas chineses não passam de uma duplicação dos sistemas russos. Outro fato que reforça essa ideia, é que pouco depois de a China adquirir a atualização dos S-300, conhecida como S-300PMU2, em 2004, surgiram os atualizados sistemas antiaéreos chineses HQ-9B, donos de um alcance entre 250 e 300 quilômetros.

O especialista ainda ressalta que a China recentemente comprou os sistemas russos S-400, o que levaria a crer que em breve a China possuirá equipamentos semelhantes aos russos — sendo um risco para o mercado de armamentos, já que os chineses poderiam vender seus equipamentos por um valor mais baixo que o dos S-400, por exemplo.

Entretanto, a Rússia não apresenta qualquer preocupação com a concorrência chinesa e a capacidade dos sistemas de defesa chineses, demonstrando confiança de que o gigante asiático não será capaz de competir com os novos sistemas russos, concluiu Charlie Gao.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas