Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Sistemas russos S-400 'incomodam concorrentes', segundo especialista militar

Os sistemas de defesa antiaérea russos são significativamente mais baratos que seus análogos estadunidenses, mas superam até o principal o sistema americano THAAD. O especialista militar russo comentou a comunicação dos jornalistas americanos.


Sputnik

Um sistema de mísseis russo S-400 custa aproximadamente US$ 500 milhões (R$ 1,9 bilhões) para os países estrangeiros. No entanto, tal preço é bastante mais barato que o de seus análogos estadunidenses Patriot Pac-2, que custa US$ 1 bilhão (R$ 3,7 bilhões), ou o THAAD, cujo preço atinge US$ 3 bilhões (R$ 11,3 bilhões). Esta é uma das principais razões pelas quais os países optam pelos mísseis russos, revela a CNBC.


Os sistemas S-400
S-400 Triumph © Sputnik / Alexander Vilf

"Quando os exércitos de outros países compram sistemas norte-americanos, além de os adquirirem, o que estão fazendo é comprar também a colaboração com o exército dos EUA. E isso, junto com a manutenção e assistência técnica, é uma grande parte da diferença de preço", explicou à CNBC Andrew Hunter, diretor do Grupo de Iniciativas Industriais de Defesa do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS) de Washington.

O professor da Academia de Ciências Militares Sergei Sudakov falou ao serviço russo da Rádio Sputnik sobre as características importantes dos sistemas russos S-400.

De acordo com o especialista, o S-400 já é um sistema bem estabelecido que pode seguir vários alvos autonomamente e monitorar a zona de atuação da defesa aérea por várias centenas de quilômetros. Comparando com o THAAD, estes sistemas podem cobrir o céu até 150 quilômetros, mas não podem autonomamente, sem participação humana, seguir um alvo.

"Hoje nós criamos um sistema de defesa antimísseis único, que pode abater não apenas os maiores mísseis, mas também os chamados mísseis pequenos. Ou seja, praticamente qualquer meio pode ser abatido com ajuda dos sistemas S-400", disse Sergei Sudakov, acrescentando que muitos países entendem que se colocarem nossos sistemas S-300, S-400 ou S-500 em suas fronteiras, isso evitaria qualquer incidente.

Ele chamou atenção para o fato de que a Rússia está gastando dezenas de vezes menos dinheiro em desenvolvimento de armas do que os Estados Unidos.

"Porque quando nós criamos quaisquer coisas inovadoras, o custo da inovação é dezenas de vezes mais barato que nos EUA. Essa é uma diferencia muito considerável. Ao mesmo tempo, todo o dinheiro que a Rússia gasta no desenvolvimento de novas tecnologias é absolutamente fundamentado", afirmou Sudakov.

"Nossos sistemas S-300, S-400 e S-500 incomodam muito os nossos adversários e concorrentes e, é claro, continuarão a irritá-los. Porque até hoje eles não aprenderam a fazer com que seus sistemas fossem tão bons quanto os nossos", disse o especialista militar.

Os Estados Unidos são o líder mundial em vendas de armamentos. No entanto, de acordo com Sergei Sudakov, o ponto aqui não é de forma alguma a superioridade das armas americanas sobre as armas russas.

"Hoje os mesmos THAAD não são competitivos se comparados aos nossos S-400 […] Os sistemas THAAD são escolhidos apenas sob pressão da força americana, da chantagem americana. Não há outra razão pela qual as armas americanas devam serem escolhidas", concluiu o especialista militar.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas