Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

'Sofrerão consequências': navio chinês teria ameaçado destróier dos EUA (VÍDEO)

O incidente entre os dois navios ocorreu ainda no fim de setembro, mas os detalhes, em particular a transcrição do diálogo entre as tripulações, só agora vieram à tona.


Sputnik

Em 30 de setembro, o destróier USS Decatur e o navio de guerra chinês Luyang efetuaram uma aproximação perigosa no mar do Sul da China. O jornal South China Morning Post teve acesso a filmagens do incidente, na qual se pode ouvir um militar americano dizendo que o navio chinês "está tentando nos empurrar para fora do caminho".


The two warships narrowly avoided a collision. Photo: British Ministry of Defence
Reprodução

O jornal também acedeu à transcrição das comunicações via rádio entre as duas embarcações, concedida pelo Ministério da Defesa da Grã-Bretanha, mostrando que o navio chinês ameaçou o USS Decatur antes de se aproximar, avisando que este "sofreria consequências" se não mudasse o rumo.

"Estão seguindo um curso perigoso. Se não o mudarem, sofrerão consequências", comunicou o navio chinês, segundo a mídia.

"Estamos efetuando uma passagem inocente", teria respondido a tripulação americana.

A Marinha americana afirmou que a "manobra insegura e pouco profissional" do navio chinês fez com que o destróier americano, que estava realizando uma operação de liberdade de navegação perto das disputadas Ilhas Spratly, tivesse que manobrar para evitar a colisão.

Pequim, por sua parte, respondeu que USS Decatur entrou nas águas chinesas, demonstrando ações provocadoras.

Anteriormente, os navios chineses e estadunidenses já tinham estado envolvidos em incidentes semelhantes no mar do Sul da China, mas que o que ocorreu em 30 setembro foi o mais grave até agora, segundo fontes norte-americanas.



Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas