Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Suspense da saída dos EUA do INF estaria causando 'efeito cascata' na Ásia

Em 20 de outubro, o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou que seu país abandonaria o Tratado INF, o que teria elevado o grau de rivalidade entre potências portadoras de armas nucleares, como é o caso da China e da Índia.


Sputnik

O Tratado INF, assinado por Washington e Moscou em 1987, não tem data de expiração e proíbe as partes de ter mísseis balísticos terrestres ou mísseis de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.


Míssil balístico indiano Agni-II (imagem referencial)
Míssil balístico indiano Agni II © AP Photo / Ajit Kumar

A saída estratégica dos EUA estaria provocando uma rivalidade ainda maior entre países asiáticos que são capazes de desenvolver armas nucleares, o que pode provocar uma corrida armamentista muito em breve.

O especialista da Carnegie Índia, C. Raja Mohan, comentou à CNBC que a decisão do presidente norte-americano estaria sendo algo de fundamental importância para a China, já que o país possui mísseis capazes de ameaçar os navios militares dos EUA localizados na região Ásia-Pacífico, assim como as bases vizinhas dos EUA, enquanto que os norte-americanos não teriam forças suficientes na Ásia, já que o tratado não permitia o desenvolvimento de armas nucleares.

Para C. Raja Mohan, os EUA estariam considerando o tratado uma má ideia, já que deixou a China e a Coreia do Norte livres para sacudir a segurança dos EUA e de seus aliados na Ásia.

Além disso, a saída estratégica permitiria que os EUA desenvolvessem e instalassem novas armas em suas bases militares na Ásia. Entretanto, o líder chinês, Xi Jinping, poderia entender essa situação como sendo uma ameaça para seu país. "Agora a China pode se encontrar no extremo receptor de uma ameaça assimétrica que antes representava para outras potências na região", afirmou o crítico indiano, Amit Bhandari.

Os especialistas acreditam que diante dessa situação, que está se encaminhando para uma corrida armamentista, poderá ocorrer um efeito cascata entre os países asiáticos, pois, na ocasião, a China iniciará a produção de novas armas, competindo com os EUA, gerando insegurança e provocando uma competição entre outros países da região, como a Índia e o Paquistão.

C. Raja Mohan conclui que Nova Deli "terá que analisar seriamente os próximos passos das grandes potências", pensando melhor em seu programa de mísseis e outras armas hipersônicas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas