Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Trump acusa Arábia Saudita de não saber usar armas americanas no Iêmen

Em entrevista concedida à edição Axios, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que a Arábia Saudita não sabe como usar o armamento norte-americano no Iêmen.


Sputnik

Em 9 de agosto, as forças da coalizão liderada pela Arábia Saudita usaram uma bomba americana para explodir um ônibus escolar no norte do Iêmen, supostamente matando pelo menos 51 pessoas, incluindo 40 crianças. O líder americano chamou o ocorrido de "situação terrível".


Presidente dos EUA, Donald Trump, reúne-se com presidente russo, Vladimir Putin, no palácio presidencial em Helsinque, 16 de julho de 2018
Donald Trump © Sputnik / Sergey Guneev

"Eu acho que é uma situação terrível. Eu odiei ver o que aconteceu com o ônibus e as crianças […] é um show de horror, quando você vê uma coisa dessas", disse o presidente estadunidense à edição.

Quando questionado se as bombas dos EUA usadas pela coalizão para matar civis o incomodavam, Trump respondeu que, basicamente, "eram pessoas que não sabiam usar a arma, o que é horrível".

"Estamos acompanhando de perto a situação no Iêmen […] mas certamente eu não teria pessoas que não sabem usar as armas, atirando em ônibus com crianças", respondeu quando perguntado sobre se seria possível haver uma interrupção de vendas de armas americanas à Arábia Saudita.

A Arábia Saudita e seus aliados sunitas combatem no Iêmen há mais de três anos contra os rebeldes xiitas. Os rebeldes controlam uma região significativa do norte do Iêmen, incluindo a capital do país, Sanaa.

Comentários

Postagens mais visitadas