Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Como governo Trump esvaziou resolução da ONU contra estupro em guerras

A oposição do presidente americano, Donald Trump, à legalização do aborto levou ao esvaziamento de uma resolução das Nações Unidas contra o uso de violência sexual como arma de guerra.
BBC News Brasil

Os Estados Unidos retiraram todas as referências a "saúde sexual e reprodutiva" do texto, o que, na prática, reduz o peso da resolução. O documento havia sido submetido pela Alemanha ao Conselho de Segurança da ONU. Estados Unidos, China e Rússia ameaçaram vetá-lo, se fosse mantida a redação original.

O governo Trump se opôs às menções à "saúde sexual e reprodutiva" das mulheres, com o argumento de que esse termo indica apoio ao aborto. Uma versão da resolução que exclui essa frase foi aprovada por 13 votos a 0, com abstenções de Rússia e China.

O embaixador da França nas Nações Unidas, François Delattre, criticou a exclusão do trecho, dizendo que a decisão afeta a dignidade das mulheres.

"É intolerável e incompreensível que o Conselho de Segurança da ONU seja incapaz…

Trump acusa Arábia Saudita de não saber usar armas americanas no Iêmen

Em entrevista concedida à edição Axios, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que a Arábia Saudita não sabe como usar o armamento norte-americano no Iêmen.


Sputnik

Em 9 de agosto, as forças da coalizão liderada pela Arábia Saudita usaram uma bomba americana para explodir um ônibus escolar no norte do Iêmen, supostamente matando pelo menos 51 pessoas, incluindo 40 crianças. O líder americano chamou o ocorrido de "situação terrível".


Presidente dos EUA, Donald Trump, reúne-se com presidente russo, Vladimir Putin, no palácio presidencial em Helsinque, 16 de julho de 2018
Donald Trump © Sputnik / Sergey Guneev

"Eu acho que é uma situação terrível. Eu odiei ver o que aconteceu com o ônibus e as crianças […] é um show de horror, quando você vê uma coisa dessas", disse o presidente estadunidense à edição.

Quando questionado se as bombas dos EUA usadas pela coalizão para matar civis o incomodavam, Trump respondeu que, basicamente, "eram pessoas que não sabiam usar a arma, o que é horrível".

"Estamos acompanhando de perto a situação no Iêmen […] mas certamente eu não teria pessoas que não sabem usar as armas, atirando em ônibus com crianças", respondeu quando perguntado sobre se seria possível haver uma interrupção de vendas de armas americanas à Arábia Saudita.

A Arábia Saudita e seus aliados sunitas combatem no Iêmen há mais de três anos contra os rebeldes xiitas. Os rebeldes controlam uma região significativa do norte do Iêmen, incluindo a capital do país, Sanaa.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas