Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Ucrânia 'conta as perdas' após lançamento do gasoduto Turkish Stream

Após o lançamento do gasoduto Turkish Stream (Corrente Turca), o trânsito de gás pelo território da Ucrânia será reduzido em 12-13 bilhões de metros cúbicos por ano.


Sputnik

O chefe do Conselho para a indústria de gás e mercado de gás natural da Ucrânia, Leonid Unigovsky, expressou sua opinião em uma entrevista ao Canal 24.


Turkish stream (Corrente Turca)
© Foto: turkstream.info

"Agora Ucrânia precisa direcionar nossos esforços para impedir a construção da segunda linha da Corrente Turca. Porque então isso reduziria ainda mais o volume do bombeamento de gás através da Ucrânia para a Europa", relatou ele.

Segundo Unigovsky, Kiev precisa atrair parceiros estrangeiros para participar do gerenciamento de seu sistema de transporte de gás, e a prioridade vai para os operadores da Itália, que recebem anualmente 23 bilhões de metros cúbicos de gás através da Ucrânia.

"Mas existem poucas chances de continuar bombeando 70-90 bilhões de metros cúbicos através do nosso sistema de transporte de gás. Seria realista — 40-60 bilhões. Se decidirmos agora a questão dos parceiros estrangeiros", acrescentou ele.

Na véspera (19), a empresa russa Gazprom completou a construção da seção submarina do gasoduto Turkish Stream com mais de 900 quilômetros de comprimento. A seção submarina vai da estação russa de compressores Russkaya, na proximidade de Anapa, pelo fundo do mar Negro, até à costa da Turquia, na área da povoação de Kayakoy.

O chefe do Centro de Estudos de Economia Política do Instituto de Globalização e Movimentos Sociais, Vasily Koltashov, comentou ao serviço russo da Rádio Sputnik o comportamento político da Ucrânia.

"É claro que as autoridades ucranianas não podem parar o processo, não podem influenciar como os projetos estão sendo implantados na indústria do gás — eles não têm tais mecanismos. A única coisa que resta para eles é contar as perdas, deplorar e, ao mesmo tempo, adicionar mais dureza às suas declarações políticas", disse Vasily Koltashov.

Segundo o especialista, a Ucrânia vai tentar de todas as maneiras atrapalhar os projetos de gás russos. Do ponto de vista econômico, todo o comportamento político da Ucrânia é irracional, não é lucrativo. Mas como aqui há interesses dos Estados Unidos e, em parte, da UE, a Ucrânia fará todos os esforços para atrapalhar os projetos de gás russos.

O projeto Turkish Stream prevê a construção de um gasoduto através do mar Negro, que consiste em duas linhas com capacidade de 15,75 bilhões de metros cúbicos cada. A primeira destina-se ao fornecimento de gás aos consumidores turcos, a segunda — aos países do sudeste e do sul da Europa.

De acordo com o plano, todos os trabalhos deverão ser concluídos em dezembro de 2019.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas