Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

'Uma questão de controle do planeta', diz americanista sobre forças espaciais dos EUA

A criação de uma força espacial pode custar aos Estados Unidos de US$ 5 a 10 bilhões (de R$ 19 a 38 bilhões), declarou no Pentágono. Mas o analista militar russo Konstantin Blokhin pensa que os EUA estão dispostos a gastar muito mais.


Sputnik

No início de setembro, a agência de notícias AP, citando um memorando da chefe da Força Aérea dos EUA, Heather Wilson, informou que a criação de uma força espacial poderia custar aos Estados Unidos quase US$ 13 bilhões (R$ 49 bilhões) nos primeiros cinco anos.


Satélite no espaço (imagem referencial)
CC0 / Pixabay

De acordo com o subsecretário de Defesa dos EUA, Patrick Shanahan, a criação de uma força espacial pode custar para os Estados Unidos um valor de um "único dígito, e não de dois dígitos", observando se tratar de um montante de 5 a 10 bilhões de dólares e acrescentando que a soma "pode mesmo ser inferior a 5 bilhões".

Um especialista do Centro de Estudos de Segurança da Academia de Ciências da Rússia, Konstantin Blokhin, expressou ao serviço russo da Rádio Sputnik a opinião que os americanos estão dispostos a gastar mais dinheiro na criação de forças espaciais do que foi divulgado.

"Hoje, os EUA estão tentando assegurar a liderança e mantê-la a todo custo, seja por um jeito ou por outro. É claro que isso é impossível sem um domínio em todas as áreas, incluindo o espaço e ciberespaço", disse Konstantin Blokhin.

Segundo ele, isso é considerado como o espectro completo de domínio e vem desde a administração presidencial Ronald Reagan — a famosa "guerra nas estrelas". Os americanos acreditam que a liderança no espaço lhes permitirá dominar a Terra, "na verdade, é uma questão de controle do planeta".

"Eu acho que esses US$ 5 a 10 bilhões (de R$ 19 a 38 bilhões) não são o limite, dado que seu orçamento de Defesa é de quase 717 bilhões de dólares, e no Congresso se fala de um aumento ainda maior. Eu acho que eles estão dispostos a gastar muito dinheiro com isso. O establishment norte-americano tem uma ideia fixa sobre o chamado espectro total de domínio", concluiu o cientista político.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas