Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

Almirante russo adverte Marinha dos EUA contra provocações no mar Negro

Os navios da Marinha dos EUA têm o direito de entrar no mar Negro, mas a Rússia não deixará sem resposta possíveis provocações relacionadas à violação de suas águas territoriais, disse à Sputnik na quinta-feira (6) o almirante russo Vladimir Komoedov, que comandou a Frota do Mar Negro de 1998 a 2002.


Sputnik

Há pouco, a CNN afirmou que os EUA estão se preparando para enviar um de seus navios de guerra para o mar Negro, depois do incidente no estreito de Kerch. O comando da Marinha estadunidense teria enviado uma informação ao Congresso a fim de notificar a Turquia dos seus planos. Ainda segundo o canal de mídia, essa medida poderia aumentar as tensões entre os Estados Unidos e a Rússia.


Manobras navais internacionais Sea Breeze 2017 organizados pelos EUA e Ucrânia no mar Negro (imagem referencial)
Navios dos EUA e Ucrânia no Mar Negro © AFP 2018/ ALEXEY KRAVTSOV / AFP

"Ninguém proíbe os navios dos EUA de navegarem no mar Negro, de acordo com a Convenção de Montreux, eles podem ficar lá por até 21 dias, então não está claro para o que é que os americanos estão se preparando — eles têm muito perto, no Mediterrâneo, a sua sexta frota. Não se entende de que modo EUA pretendem apoiar a Ucrânia, talvez seja apenas mais uma declaração política" — disse Komoedov.

Ao mesmo tempo, o almirante observou que a Rússia não deixaria sem resposta possíveis provocações da Marinha dos EUA e retaliaria se um navio americano entrasse ilegalmente nas águas territoriais da Rússia.

"No entanto, se eles entrarem em nossas águas territoriais, ou seja, se violarem as fronteiras nacionais, serão punidos. Então, eles que fortaleçam suas armas para que nem tudo seja destruído" — adicionou o almirante.

Na terça-feira (27), um tribunal russo ordenou a prisão preventiva de 15 dos 24 marinheiros ucranianos detidos pela guarda fronteiriça russa. Na segunda-feira (26), o parlamento ucraniano aprovou a introdução da lei marcial em algumas regiões do país por 30 dias.

No dia 25 de novembro, três navios da Marinha Ucraniana (Berdyansk, Nikopol e Yany Kapu), juntamente com suas tripulações, foram detidos por violarem a fronteira nacional da Rússia, infringindo os artigos 19 e 21 da Convenção da ONU sobre o direito marítimo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas