Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Almirantes avaliam chances de porta-aviões dos EUA entrarem nos mares Báltico e Negro

O comandante da Segunda Frota dos EUA, Andrew Lewis, afirmou que os porta-aviões americanos podem agir em condições de bloqueio de acesso nas áreas estrategicamente importantes para a Rússia. Almirantes russos avaliaram a possibilidade de a Marinha dos EUA usar seus porta-aviões nos mares Negro e Báltico.


Sputnik

Anteriormente, a edição Business Insider citou o chefe da recém-restaurada Segunda Frota dos EUA, vice-almirante Andrew Lewis, que falou sobre a tática russa de bloquear o acesso de tropas estrangeiras a áreas estrategicamente importantes, em particular na Crimeia e em Kaliningrado (enclave russo situado entre a Polônia e a Lituânia).


Porta-aviões norte-americano USS Carl Vinson
Porta-aviões norte-americano USS Carl Vinsson © REUTERS / Erik De Castro

Segundo Lewis, porta-aviões e tropas terrestres americanos podem agir em condições de bloqueio de acesso.

Porém, almirantes russos comentaram que o uso de porta-aviões americanos no mar Negro é impossível conforme a Convenção de Montreux sobre o Regime dos Estreitos, enquanto no mar Báltico simplesmente não há espaço suficiente para a passagem dos navios.

"Os Estados Unidos possuem 11 porta-aviões, todos nucleares, cada um tem cerca de 90 aviões. São rápidos e os americanos podem posicioná-los onde quer que considerem necessário. No entanto, eles não poderão passar em todos os lugares, por exemplo sua entrada no mar Báltico é difícil. No mar Negro eles simplesmente não podem entrar através dos estreitos de Bósforo e Dardanelos, pois tal passagem é proibida pela Convenção de Montreux sobre o Regime dos Estreitos", disse o almirante russo Vladimir Komoedov.

O ex-comandante da Frota do Mar Negro, almirante Vladimir Valuev, partilha a opinião de Komoedov, sublinhando que ainda não houve casos em que porta-aviões estadunidenses tenham entrado nos mares Negro ou Báltico para cumprirem suas tarefas.

A Convenção de Montreux regula a passagem de navios militares através dos estreitos de Bósforo e Dardanelos. Segundo o documento, os porta-aviões não podem atravessar os estreitos a não ser que a Turquia seja parte em um conflito militar ou considere que para ela existe uma ameaça militar direta.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas