Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Fuzileiros Navais do Brasil e dos EUA ratificam acordo de cooperação

Diálogo conversou com o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil (MB) Nélio de Almeida para conhecer detalhes dessa parceria
Por Marcos Ommati | Diálogo Américas | Poder Naval

Criar mais oportunidades de intercâmbio de conhecimento e treinamento combinado entre os Fuzileiros Navais do Brasil e dos Estados Unidos. Este é o objetivo principal de um plano de cinco anos ratificado em fevereiro de 2019 entre os representantes de ambas as forças, o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil Nélio de Almeida, comandante do Desenvolvimento Doutrinário do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) do Brasil e presidente nacional da Associação de Veteranos desta força, e o Contra-Almirante Michael F. Fahey III, comandante do Corpo de Fuzileiros Navais Sul dos EUA (MARFORSOUTH, em inglês). O C Alte Nélio recebeu Diálogo em seu escritório na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, para dar detalhes do acordo e conversar sobre outros temas de interesse das marinhas do Brasil e de outros países da região e dos E…

Analista: EUA podem tentar realizar golpe na Venezuela se pressão econômica não funcionar

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, afirmou neste domingo (9) que os Estados Unidos estariam preparando um golpe de Estado na Venezuela. Um especialista em assuntos da América Latina analisa se existem motivos para tal golpe e se os EUA podem realmente escalar a situação na Venezuela em breve.


Sputnik

Cooperação ameaçadora

Para o diretor-geral do Centro Latino-Americano Hugo Chávez, Egor Lidovskoi, a notícia sobre planos de golpe é perfeitamente plausível após as recentes visitas de Nicolás Maduro à Rússia e à Turquia.


Protestos na Venezuela
Protestos na Venezuela | AFP 2018 / Juan Barreto

O especialista russo destaca que, além da assinatura dos acordos que foram anunciados, como contratos bilionários de investimentos russos, pode haver outros de caráter secreto que visem desenvolver o mundo multipolar e o abandono do dólar americano na economia.

"Isso afetará certamente os Estados Unidos, pois o dólar e a economia são uma 'arma' que eles usam até mais do que a força militar para impor sua vontade a outros países. Por isso, para os EUA uma cooperação tão estreita entre países que têm sua própria política independente é extremamente perigosa, pois podem perder a hegemonia", opinou Lidovskoi.

Pressão econômica e oposição disfarçada

O analista ressalta que Washington sempre teve uma atitude muito negativa quanto a Caracas, em particular depois da chegada ao poder de Hugo Chávez e consequente nacionalização da produção de petróleo na Venezuela.

Assim, as empresas estadunidenses perderam a possibilidade de lucrar com o setor de petróleo venezuelano, o que levou os EUA a recorreram a uma colossal pressão econômica sobre Caracas, tal como fizeram com Cuba de Fidel Castro.

Neste contexto, acredita, é perfeitamente possível uma escalada da situação por parte de Washington.

"No establishment americano existe sempre uma disputa entre os que são a favor e contra uma invasão na Venezuela. Se eles virem que esgotaram as medidas econômicas de pressão […], então é bem possível que os EUA tentem realizar uma intervenção militar ou golpe de Estado, usando os grupos radicais, que já foram generosamente patrocinados na Venezuela", comentou Lidovskoi ao serviço russo da Rádio Sputnik.

Segundo ele, embora na Venezuela haja partidos de oposição, a oposição que é mostrada pela propaganda estadunidense são grupos armados disfarçados que realizam várias operações como o atentado com drones contra o presidente, em agosto deste ano.

Dada a aproximação da Venezuela com tais países como a Rússia, a China e a Turquia, conclui o especialista, pode-se esperar que Washington tente envidar mais esforços nesta direção.

Nicolás Maduro visitou Moscou no início de dezembro, tendo se encontrado com o presidente Vladimir Putin e sua equipe de governo.

De acordo com declarações de Maduro, os dois países assinaram uma série de acordos nas áreas de petróleo, telecomunicações, defesa, mineração e comércio.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas