Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Analista: posição independente da Rússia é a razão da expansão militar da OTAN

O comandante da Marinha da Rússia relatou o aumento da implantação de armas estratégicas de precisão dos EUA perto das fronteiras da Rússia.


Sputnik

O chefe do Estado-Maior da Marinha, Vladimir Korolev, observou que sistemas navais norte-americanos de defesa antimíssil, instalações militares e armas estratégicas convencionais de alta precisão foram implantados nas áreas adjacentes ao território do país. Ao mesmo tempo, o almirante enfatizou que a quantidade de forças da Marinha nacional permite à Rússia fazer frente às ameaças provenientes do mar.


Tanques da OTAN na Letônia, perto da fronteira com a Rússia
Tropas da OTAN na Letônia © AP Photo/ Mindaugas Kulbis

O especialista político Vladimir Shapovalov, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, avaliou a situação.

"O posicionamento de armas da OTAN perto das fronteiras da Rússia é um processo que já decorre há muito tempo e que está se intensificando. A OTAN está se expandindo, integrando cada vez novos países. Diversos países estão dispostos a aderir à aliança, inclusive a Ucrânia. Depois da adesão, os países da OTAN anunciam que não haverá novas bases militares nos seus territórios, assinam acordos nesse sentido, no entanto estão sendo implantadas bases militares, por exemplo, na Romênia e na Bulgária ou nos países bálticos", esclareceu o analista.

Shapovalov acrescentou que, atualmente, o número de efetivos da OTAN e de exercícios militares perto das fronteiras da Rússia estão aumentando constantemente.

Segundo ele, trata-se de uma política de longo prazo voltada para pressionar a Rússia e expandir a OTAN.

"O principal objetivo desta estratégia é expandir a influência da comunidade ocidental, em primeiro lugar, dos EUA, e enfraquecer a posição da Rússia, porque ela não obedece aos EUA e seu potencial militar não é inferior, em algumas áreas até ultrapassa os EUA", observou.

O cientista político enfatizou que o fato de a Rússia assumir uma "posição independente é a principal razão do comportamento agressivo" de outros países, que atualmente se manifesta no crescimento dos gastos militares, no surgimento de novas bases e na constante expansão da presença militar da OTAN junto às fronteiras da Rússia.

"A Rússia responde protegendo seus próprios interesses a nível diplomático e político, criando seus próprios sistemas de armas eficazes, que são uma garantia de não agressão contra si", disse Shapovalov.

"Tendo um orçamento militar muito menor do que os EUA, a Rússia tem armas que são significativamente superiores às norte-americanas. Com menos forças alcançamos as metas com as quais os EUA gastam significativamente mais recursos", conclui o especialista.

Comentários

Postagens mais visitadas