Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Após ultimato dos EUA, Putin diz que saída do Tratado INF tem outra razão: novos mísseis

Os Estados Unidos há muito planejam se retirar do Tratado INF, mas só agora é que começaram a buscar justificativas para isso e culparam convenientemente a culpa na Rússia, disse o presidente russo Vladimir Putin após o ultimato de 60 dias de Washington.


Sputnik

Falando a ministros de Relações Exteriores da OTAN na terça-feira, o secretário de Estado, Mike Pompeo, acusou a Rússia de violar o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF).


Presidente russo Vladimir Putin durante cerimônia solene de posse no Kremlin, 7 de maio de 2018, Moscou
Vladimir Putin © Sputnik / Aleksandr Astafyev

"À luz desses fatos, hoje a América anunciará que percebe a Rússia em violação do tratado e isso nos retirará do tratado em 60 dias, a menos que a Rússia retorne ao cumprimento dele", disse Pompeo.

O presidente russo rebateu e questionou as intenções estadunidenses.

"A declaração do senhor Pompeo chegou um pouco tarde", comentou Vladimir Putin na quarta-feira. "No início, o lado americano anunciou sua intenção de se retirar do Tratado INF, e então eles começaram a buscar justificativas do porquê deveriam fazê-lo".

O Congresso dos EUA autorizou o financiamento de pesquisa e desenvolvimento para construir novos sistemas de mísseis "antes que Washington anunciasse a retirada do INF", acredita Putin.

"A decisão foi tomada há algum tempo, mas silenciosamente — eles pensaram que não perceberíamos isso", pontuou. No entanto, o desenvolvimento de novos tipos de mísseis de alcance curto e médio foi um segredo aberto, já que "foi estabelecido no orçamento do Pentágono", acrescentou.

"Em seguida, eles começaram a procurar alguém para culpar", continuou o líder russo. "A coisa mais fácil é [dizer] ao público ocidental que a Rússia é culpada". Isso, de acordo com Putin, é o oposto da verdade, porque Moscou é contra o desmantelamento do tratado histórico.

Enquanto os EUA ameaçam sair do Tratado INF, já fizeram algo semelhante no passado recente. Em 2002, sob George W. Bush, Washington se retirou do Tratado de Mísseis Antibalísticos (ABM), "uma das pedras angulares da segurança internacional".

"Eles não eram tímidos [sobre isso], eles calmamente saíram dele — a propósito, sem qualquer referência a qualquer coisa", lembrou o presidente. Ele comparou isso ao que está acontecendo agora, acrescentando que os americanos "estão descobrindo quem culpar por esse movimento imprudente".

No final do dia, o desmantelamento do tratado não será deixado sem resposta. Enquanto os EUA estão trabalhando em novos tipos de mísseis, a Rússia não está em suas mãos, Putin reiterou. "Qual seria a nossa resposta? Simples: nós também faremos isso", finalizou.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas