Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Ataques à Síria fazem parte da política israelense para expulsar Irã do país, diz analista

Israel está realizando ataques aéreos contra a Síria para expulsar o Irã do país, e o governo israelense continuará aplicando essa política graças também ao apoio dos EUA, afirmou à Sputnik Boris Dolgov, diretor do Centro de Estudos Árabes e Islâmicos do Instituto de Estudos Orientais da Academia de Ciências da Rússia.


Sputnik

Anteriormente, a agência estatal síria SANA informou que a Força Aérea de Israel realizou ataque com mísseis contra Damasco na terça-feira (25), a maioria dos mísseis foi derrubada, três soldados sírios ficaram feridos e um armazém militar foi danificado. O ataque de terça-feira durou mais de uma hora e meia.


Caça da Força Aérea de Israel (foto do arquivo)
F-16 Fighting Falcon israelense © Sputnik / Serviço de imprensa da Força Aérea de Israel

"A meta de Israel, declarada mais de uma vez, é saída do Irã da Síria. Israel acredita que as forças iranianas na Síria o ameaçam. Esta é a principal implicação do governo israelense, que quer expulsar o Irã da Síria para supostamente garantir sua segurança. Para isso [israelenses] realizam ataques", explicou Dolgov.

De acordo com especialista, as exigências de Israel para a retirada do Irã da Síria podem ser ouvidas também diplomaticamente.

"No entanto, as forças pró-iranianas estão na Síria legalmente a pedido do governo eleito legitimamente [na Síria]. Sendo assim, o Irã não viola nenhuma lei internacional, e quem viola é Israel", afirmou, acrescentando que Israel "usa apoio dos EUA, por isso continua aplicando uma política para expulsão do Irã da República Árabe da Síria".

Não é a primeira vez que Israel realiza ataque aéreo em território sírio, relembrou o analista.

"Ataques da Força Aérea de Israel são regulares. Depois da provocação de Israel, que ocasionou abate de avião russo, estes ataques aéreos foram interrompidos por um tempo, mas depois voltaram. Não é algo novo. As ações agressivas da Força Aérea israelense violam integridade territorial da Síria e o espaço aéreo do país árabe", ressaltou Dolgov.

Os israelenses admitem que nos últimos dois anos bombardearam alvos iranianos 200 vezes em um país vizinho, e dizem que vão continuar as operações, apesar do fortalecimento da defesa aérea da Síria com sistemas de mísseis antiaéreos S-300 russos.

O fornecimento desse armamento foi resposta ao trágico incidente com avião militar Il-20 da Rússia, que foi abatido em 17 de setembro, por culpa dos militares israelenses.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas