Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Aviões, helicópteros e mísseis russos confirmam sua eficácia durante operação na Síria

Após sua visita à Síria, o vice-primeiro-ministro russo Yuri Borisov avaliou as capacidades do novo equipamento militar russo usado durante a operação militar na Síria.


Sputnik

Os aviões de combate e helicópteros russos que operam na Síria realizam diariamente até 100 missões contra os terroristas, informou o vice-primeiro-ministro russo Yuri Borisov.


Sistema de mísseis balísticos táticos Iskander-M durante o desfile de equipamento militar no polígono de Alabino no fórum internacional militar Exército 2016
Míssil balístico russo Iskander M © Sputnik / Grigory Sysoev

"A Corporação Unida de Construção Aeronáutica da Rússia, o grupo Vertolety Rossii [Helicópteros da Rússia], a Corporação de Mísseis Táticos e outras entidades da indústria de defesa contribuíram para instalação de uma plataforma técnica e de engenharia no aeródromo de Hmeymim para manter a funcionalidade da aviação. O trabalho coordenado de nossos especialistas garantiu o alto nível de intensidade das operações militares do grupo aéreo, que atingiu 100 decolagens por dia", explicou Borisov.

O vice-primeiro-ministro declarou que os caças avançados russos Su-35 e 30SM superaram três ou quatro vezes os normativos de fiabilidade, não obstante seu uso intenso na Síria.

Borisov sublinhou também que os helicópteros de ataque russos Ka-52, que decolaram pela primeira vez do porta-aviões Admiral Kuznetsov, bem como os bombardeiros estratégicos Tu-160, Tu-95MS e Тu-95МС e aviões MiG-29KUB confirmaram sua eficácia durante a operação militar na Síria.

"O sistema tático-operacional das tropas terrestres Iskander-M e os lança-foguetes múltiplos Tornado-G e Smerch comprovaram igualmente sua eficácia", acrescentou o ministro.

Segundo ele, durante a campanha militar na Síria, as armas russas têm comprovado suas características e vantagens tradicionais – simplicidade de uso e fiabilidade.

A Síria vive um conflito armado desde 2011, tendo no fim de 2017 sido declarada a vitória sobre o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países) na Síria e no Iraque, com o apoio da Força Aeroespacial da Rússia, que juntos continuam expulsando os militantes. No momento, a regularização política e a restauração da Síria estão em primeiro plano.

Comentários

Postagens mais visitadas